Mercado abrirá em 2 h 26 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,19
    +0,31 (+0,41%)
     
  • OURO

    1.929,00
    -1,80 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    23.435,67
    -353,83 (-1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    534,96
    -10,35 (-1,90%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.833,93
    +13,77 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.642,00
    -204,75 (-1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4920
    +0,0023 (+0,04%)
     

Telescópio James Webb revela surpresas em centenas de antigas galáxias

Novas observações de mais de 800 galáxias, realizadas pelo telescópio James Webb, revelaram que elas têm estrutura muito mais diversa e madura do que se pensava. O estudo foi realizado por Jeyhan Kartaltepe, professor do Instituto Rochester de Tecnologia que, junto de outros cientistas, comparou imagens de centenas delas, obtidas pelo Webb, com os registros correspondentes capturados pelo telescópio Hubble.

Para o estudo, eles examinaram 850 galáxias como eram há cerca de 13 bilhões de anos. Segundo o professor, a capacidade que o Webb tem para observar galáxias de brilho fraco e com alto desvio para o vermelho (quando a luz é "estendida" para comprimentos de onda maiores e mais vermelhos devido à expansão do universo) permitiu que eles observassem mais características delas, analisando também um grupo mais diverso de galáxias.

Mosaico de 690 imagens capturadas pelo telescópio James Webb, que mostram galáxias com alto desvio para o vermelho e morfologias variadas (Imagem: Reprodução/NASA/STScI/CEERS/TACC/S. Finkelstein/M. Bagley/Z. Levay; Cutout images: NASA/STScI/CEERS/TACC/S. Finkelstein/M. Bagley/J. Kartaltepe)
Mosaico de 690 imagens capturadas pelo telescópio James Webb, que mostram galáxias com alto desvio para o vermelho e morfologias variadas (Imagem: Reprodução/NASA/STScI/CEERS/TACC/S. Finkelstein/M. Bagley/Z. Levay; Cutout images: NASA/STScI/CEERS/TACC/S. Finkelstein/M. Bagley/J. Kartaltepe)

Das 850 galáxias estudadas já identificadas pelo telescópio Hubble, 488 receberam novas classificações após os pesquisadores as analisarem com os dados do James Webb. O novo telescópio as observou com bastante nitidez, exibindo características de evolução delas como discos e estruturas esferoidais.

Kartaltepe destaca que, mesmo com um desvio tão grande para o vermelho, as galáxias já estavam razoavelmente evoluídas e várias estruturas. “Isso nos diz que ainda não sabemos quando as estruturas galácticas mais primordiais foram formadas”, observou ele. “Ainda não estamos vendo as primeiras galáxias com discos”.

Por isso, eles planejam estudar ainda muitas outras galáxias com desvios para o vermelho ainda maiores, para tentar determinar o momento em que características delas, como os discos, foram formadas.

O artigo com os resultados do estudo foi disponibilizado no repositório arXiv sem revisão de pares, e será publicado na revista The Astrophysical Journal.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: