Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.345,82
    +1.857,94 (+1,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.376,89
    -141,41 (-0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,51
    +0,23 (+0,21%)
     
  • OURO

    1.852,00
    +9,90 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    29.322,36
    -650,32 (-2,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    658,56
    -16,31 (-2,42%)
     
  • S&P500

    3.973,75
    +72,39 (+1,86%)
     
  • DOW JONES

    31.880,24
    +618,34 (+1,98%)
     
  • FTSE

    7.513,44
    +123,46 (+1,67%)
     
  • HANG SENG

    20.470,06
    -247,18 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    12.053,00
    +212,25 (+1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1442
    -0,0086 (-0,17%)
     

Telescópio James Webb poderá identificar "fazendas alienígenas"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Os compostos atmosféricos vindos da possível atividade agrícola de "exofazendas" em mundos que orbitam outras estrelas podem ser vistos do espaço e facilmente identificados pelos telescópios espaciais atuais, como o James Webb. É o que descreve um estudo conduzido por uma equipe de astrônomos e astrobiólogos, que propõem que as assinaturas espectrais das exofazendas sejam consideradas nas buscas por tecnoassinaturas, ou seja, características que são a "marca registrada" de uma civilização.

Um dos principais avanços que separam a civilização moderna das sociedades de caçadores e coletores do passado é a agricultura, iniciada há cerca de 10 mil anos com o cultivo de plantas selvagens e domesticação dos primeiros animais. Além de sustentar populações maiores, a agricultura trouxe efeitos para a Terra que podem ser observados de diferentes formas, como nos compostos liberados em nossa atmosfera.

(Imagem: Reprodução/ESA/Hubble/NASA)
(Imagem: Reprodução/ESA/Hubble/NASA)

Pensando nisso, a equipe do estudo acredita que esta assinatura atmosférica deve ser visível do espaço, e que sinais parecidos podem existir em planetas habitados. “A assinatura de uma 'exofazenda' poderia ocorrer somente em um planeta que já sustenta a fotossíntese, de modo que o planeta irá, necessariamente, mostrar características espectrais de H2O (água), O2 (oxigênio) e CO2 (dióxido de carbono)”, escreveram os autores.

Na Terra, a atividade agrícola é a principal origem de metano (CH4) atmosférico, de modo que valeria a pena procurar a molécula em outros mundos. Segundo os autores, os cálculos sugerem a possibilidade de considerar a detecção simultânea de outros compostos como NH3 (amônia) e N2O (óxido nitroso) em atmosferas capazes de sustentar fotossíntese.

De acordo com eles, os telescópios disponíveis hoje já podem conseguir detectar estas assinaturas — e a equipe destaca que o telescópio espacial James Webb deve conseguir identificar amônia ao nível de cinco partes por milhão na atmosfera de planetas ricos em hidrogênio, orbitando estrelas anãs vermelhas próximas. Para comparação, considere que os níveis atuais de amônia na atmosfera terrestre são de, aproximadamente, dez partes por bilhão.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado no repositório arXiv, sem revisão de pares.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos