Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,46
    +0,69 (+0,63%)
     
  • OURO

    1.866,00
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    29.583,63
    +405,59 (+1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    660,12
    +4,29 (+0,65%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.484,35
    -29,09 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    20.112,10
    -357,96 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    26.748,14
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    11.840,25
    +69,25 (+0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1692
    -0,0030 (-0,06%)
     

Telescópio James Webb chega ao seu destino a 1,5 milhão de km da Terra

·2 min de leitura

O telescópio espacial James Webb já chegou ao seu destino final, a mais de 1,5 milhão de quilômetros da Terra. Lançado no dia 25 de dezembro de 2021, o observatório precisou de 30 dias de viagem até chegar ao Ponto de Lagrange 2 (L2), uma região de estabilidade gravitacional que orbitará ao longo de sua missão.

Após se aproximar do L2, foi às 16h, no horário de Brasília, que o Webb acionou seus propulsores por cerca de cinco minutos para realizar sua última correção de meio-curso. Com o procedimento, o telescópio foi inserido em direção à sua órbita final ao redor da região.

“Bem vindo ao seu lar, Webb!”, comemorou Bill Nelson, administrador da NASA. “Estamos um passo mais próximos de revelar os mistérios do universo”, disse, em um comunicado da NASA.

Agora que chegou à sua "estação de trabalho", o telescópio começará a se esfriar e ativar seus quatro instrumentos científicos — ainda deverá levar cerca de um mês até o resfriamento e estabilidade térmica serem concluídos. Em sua órbita, o Webb conseguirá uma ampla visão do universo a qualquer momento, conseguindo também manter seus instrumentos ópticos e científicos a temperaturas baixas o suficiente para operarem corretamente.

Ao longo da viagem, o Webb utilizou o mínimo possível de propelente para realizar correções de curso, como uma forma de deixar o composto restante para as operações ao longo de sua missão. Inicialmente, considerava-se que o telescópio poderia operar por até 10 anos no espaço, em função da quantidade limitada de propelente a bordo; contudo, após o lançamento, a equipe da missão espera mais de 10 anos de missão.

O observatório já implantou os segmentos de seu espelho primário e secundário e, para os próximos passos, os engenheiros da missão darão início a um processo de altíssima complexidade, no qual vão trabalhar na calibração e alinhamento perfeito dos instrumentos científicos e sistemas ópticos do Webb. De acordo com a NASA, o procedimento deverá durar três meses, aproximadamente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos