Mercado abrirá em 7 h 11 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,41
    +0,13 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.830,00
    -6,10 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    57.334,07
    +2.432,31 (+4,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.553,41
    +1.310,73 (+540,11%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.075,21
    +61,40 (+0,22%)
     
  • NIKKEI

    28.230,69
    -377,90 (-1,32%)
     
  • NASDAQ

    13.278,00
    -68,00 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3332
    -0,0122 (-0,19%)
     

Telesat enfrenta Musk e Bezos em corrida espacial para banda larga rápida

Steve Scherer
·2 minuto de leitura
.

Por Steve Scherer

OTTAWA (Reuters) - A canadense Telesat lançará uma constelação de satélites de baixa órbita terrestre (LEO, na sigla em inglês) para fornecer banda larga global de alta velocidade a partir do espaço. Isso coloca a empresa de comunicações por satélite fundada em 1969 contra dois bilionários pioneiros, Elon Musk e Jeff Bezos.

Musk, o presidente da Tesla que tinha apenas um ano de idade quando a Telesat lançou seu primeiro satélite, está colocando o Starlink LEO em órbita com sua empresa SpaceX. E a Amazon, fundada por Bezos, planeja um LEO chamado Project Kuiper. Bezos também é dono da Blue Origin, empresa que fabrica foguetes.

Apesar da competição, Dan Goldberg, presidente da Telesat, mostra confiança ao chamar a constelação LEO da empresa de "o Santo Graal" para seus acionistas - "uma vantagem competitiva sustentável no fornecimento de banda larga global."

O LEO da Telesat será bem mais barato que os de SpaceX e Amazon, estima-se que custe metade dos projetos de 10 bilhões das concorrentes, e a Telesat está na área de serviços de satélite há décadas. Além disso, em vez de focar no mercado consumidor como fazem SpaceX e Amazon, a canadense busca clientes empresariais com bastante recursos.

Os 15 satélites geoestacionários (GEO) da Telesat fornecem serviços principalmente para emissoras de TV, provedores de internet e redes governamentais, todos cada vez mais preocupados com a latência, ou atraso de tempo, de sinais refletidos de satélites a mais de 35 mil quilômetros acima terra.

Em 2015, voltando de uma conferência da indústria em Paris, onde o atraso foi tema frequente, Goldberg escreveu suas ideias para os satélites em um guardanapo. Essas ideias depois levaram à constelação LEO da Telesat, apelidada de Lightspeed, que orbitará cerca de 35 vezes mais perto da Terra do que os satélites GEO da empresa e fornecerá conectividade com a internet a uma velocidade semelhante à da fibra óptica.

O primeiro lançamento da Telesat está planejado para o início de 2023, quando já existirão cerca de 1.200 satélites Starlink de Musk em órbita. "O Starlink estará em serviço muito antes... e isso dá à SpaceX a oportunidade de conquistar clientes", disse Caleb Henry, analista da Quilty Analytics.

Mas a vantagem do "pioneiro" Starlink é de no máximo 24 meses e, segundo Goldberd, "ninguém vai ocupar todo esse mercado nesse período de tempo".

A Telesat pretende lançar seu primeiro lote de 298 satélites, que serão construídos pela Thales Alenia Space no início de 2023, com serviço parcial em latitudes mais altas no mesmo ano, e serviço global completo em 2024.

O analista Henry disse que o foco da Telesat em clientes empresariais é certeiro.

"Você tem dois concorrentes de peso, SpaceX e Amazon, que prometem gastar 10 bilhões de dólares em satélites otimizados para o mercado consumidor", disse ele. "Se a Telesat pode gastar metade dessa quantia criando um sistema de alto desempenho para empresas, então sim, eles podem ser muito competitivos."

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS IL AAP