Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.121,12
    +790,41 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Telegram testa venda de produtos e pagamento dentro do próprio app

Alveni Lisboa
·3 minuto de leitura

O Telegram deve anunciar na sua próxima atualização o suporte a funções de venda e pagamento de produtos pelo próprio aplicativo. Segundo o site TestingCatalog, a versão beta do mensageiro já está testando a novidade, que pode fechar em uma das próximas atualizações.

Ao que parece, será possível criar adesivos a partir de fotos dos produtos para vendê-los. Esses stickers terão o nome, uma breve descrição e o preço de venda. Logo abaixo, haverá um botão de compra: bastará clicar nesse local para ser direcionado à API de pagamento do Telegram.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Nesta interface, os usuários são solicitados a fornecer detalhes adicionais, como informações de envio, número de telefone ou endereço de e-mail. Depois de preencher tudo, elas são encaminhadas para o bot do comerciante e terão a opção de envio de mercadorias com base no endereço. Quando estiver pronto, os usuários podem inserir as informações do cartão de crédito ou escolher um dos cartões salvos. O Telegram também oferecerá suporte a pagamentos via Apple Pay e Google Pay.

Assim que a transação é concluída, o bot do comerciante enviará uma mensagem-recibo que contém os detalhes do pagamento, juntamente com as informações de envio e entrega. O serviço terá um campo destinado ao oferecimento de gorjetas para o vendedor, uma forma de recompensar o bom atendimento.

(Imagem: Reprodução/Telegram)
(Imagem: Reprodução/Telegram)

Se o produto já estiver cadastrado, bastará escrever @shopbot no campo de mensagens para aparecer uma lista com tudo que estiver disponível para venda. Daí basta selecionar e configurar as informações principais. Por se tratar de uma versão de testes, não se sabe ainda como será feito o cadastro de novos produtos e quem poderá efetuar vendas (se somente os administradores de grupo ou qualquer pessoa).

Para comprar, o interessado deve digitar @merchantbot no campo de messagens e informar o que procura. O robô pesquisará e trará como resultado uma descrição da mercadoria ou serviço, valor a ser pago, bem como informações de envio. Será possível comercializar produtos que custem entre R$ 5,60 e R$ 56.032,83.

Recibo chegará diretamente para o comprador via chat (Imagem: Reprodução/Telegram)
Recibo chegará diretamente para o comprador via chat (Imagem: Reprodução/Telegram)

O recurso se chama Telegram Payments e será compatível com a versão beta 7.7.2. Por enquanto, ainda não há previsão de lançamento para o público.

Pagamento via app já existe

Atualmente, o Telegram conta com processamento de transações feito pela Stripe, que autoriza pagamentos com cartão de crédito, boleto e outras formas. A dona do app de mensagens não cobra taxas pelo serviço, mas que elas incidem sobre o serviço da Stripe. O novo bot deve se integrar a essa opção, o que vai garantir que toda a transação ocorra dentro do seu sistema e de forma ainda mais simples.

Recentemente, o WhatsApp, principal concorrente do mensageiro, ganhou autorização do Banco Central para autorizar pagamentos diretamente no app aqui no Brasil. Para funcionar com cartões nacionais, o Telegram também precisará submeter seu sistema de pagamento ao crivo das autoridades brasileiras ou usar algum serviço autorizado integrado à sua plataforma.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: