Mercado abrirá em 9 h 13 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,29
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.813,50
    -8,70 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    38.597,12
    -1.202,92 (-3,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    940,20
    -20,70 (-2,15%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.030,61
    -205,19 (-0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.559,26
    -221,76 (-0,80%)
     
  • NASDAQ

    14.967,25
    +14,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1185
    -0,0256 (-0,42%)
     

Telegram apresenta brechas de segurança em análise de sua criptografia

·2 minuto de leitura

Pesquisadores da Royal Holloway, na Universidade de Londres, realizaram uma vasta análise de segurança no Telegram e descobriram diversas brechas de segurança em sua criptografia de mensagens. Publicado nesta sexta-feira (16), o estudo revelava que falhas permitiam que atacantes reordenassem mensagens, recuperassem textos simples e quebrassem a confidencialidade das comunicações.

As descobertas foram comunicadas aos desenvolvedores do Telegram no dia 16 de abril de 2021, que pediram que elas só fossem reveladas publicamente agora. Diante dos fatos, a empresa decidiu não fazer grande alarde sobre os problemas encontrados, que já foram corrigidos em atualização de rotina.

“Os resultados de nossa análise mostram que, para a maioria dos usuários, o risco imediato é baixo, mas elas destacam que, antes de nosso trabalho, o Telegram estava aquém das garantias criptográficas dadas por outros protocolos, como o Transport Layer Security (TLS)”, explicou o professor Martin Albrecht ao site TechXplore.

Imagem: Divulgação/Telegram
Imagem: Divulgação/Telegram

Enquanto o TLS é um protocolo usado pela indústria em geral, o comunicador usa o protocolo próprio conhecido como MTProto. Segundo Albrecht, o trabalho da equipe de pesquisadores foi motivado pelo fato de que muitos dos participantes dos protestos que aconteceram em Hong Kong em 2019 e 2020 foram organizados pelo Telegram, considerado uma ferramenta de comunicação segura pelos participantes.

Tão ou mais seguro que o TLS

Enquanto as comunicações do aplicativo são criptografadas entre o cliente e o servidor com o protocolo próprio da empresa, a criptografia ponta a ponta é opcional e só funciona no modo secreto e não está disponível para chats em grupo. Esses elementos motivaram os pesquisadores a se aprofundar no estudo do protocolo MTProto, que resultou nas descobertas divulgadas nesta sexta-feira.

A conclusão da Royal Holloway é que, se as mudanças sugeridas realmente foram feitas, o protocolo usado pelo Telegram pode ser considerado tão ou mais seguro do que o TLS. No entanto, permanecem questões sobre clientes não-oficiais do comunicador, que podem implementar a solução de segurança de forma indevida e, no processo, deixar seus usuários suscetíveis a ataques e violações de privacidade.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos