Mercado abrirá em 7 h 40 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,83
    +1,26 (+1,15%)
     
  • OURO

    1.826,90
    +2,10 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    20.762,21
    -418,10 (-1,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    451,39
    -10,40 (-2,25%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.046,67
    -182,85 (-0,82%)
     
  • NIKKEI

    26.939,44
    +68,17 (+0,25%)
     
  • NASDAQ

    12.036,50
    -4,00 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5405
    -0,0036 (-0,06%)
     

Telegram ainda não entrega respostas efetivas à Justiça, informa delegado da PF

O Telegram ainda não colabora com investigações policiais, afirmou o delegado chefe de divisão de Repressão a Crimes Fazendários da Polícia Federal, Cléo Mazzotti. A autoridade afirma que a plataforma não entrega “respostas efetivas” ao que foi solicitado em perícias do órgão.

“A PF ainda está tentando conversar com o escritório [que representa o Telegram] para alinhavar caminhos, ver qual a melhor forma de encaminhar e ter os pedidos atendidos. O fato é que até o momento não estamos tendo respostas efetivas ao que foi solicitado [nas investigações]”, disse o delegado para a Folha de São Paulo.

O Telegram ainda não entrega informações suficientes para investigações, afirma delegado (Imagem: Christian Wiediger/Unsplash)
O Telegram ainda não entrega informações suficientes para investigações, afirma delegado (Imagem: Christian Wiediger/Unsplash)

Desde março, o Telegram conta com representantes no Brasil para atender demandas locais. A nomeação aconteceu devido à iminente suspensão do mensageiro no país determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) — decisão revertida após as promessas da plataforma.

Segundo Mazzotti, a PF já se reuniu com os representantes do Telegram, mas as respostas obtidas não foram satisfatórias para o prosseguimento das investigações. Nos encontros, o órgão federal chegou a perguntar o que falta para o app conseguir responder às questões, bem como quais limitações técnicas os impediriam de colaborar.

Quais eram as perguntas da PF?

Na conversa com a Folha, a PF não entra em detalhes sobre quais seriam as questões mal respondidas. A ideia, porém, seria estabelecer os tipos de conteúdo que poderiam ser revelados às autoridades, além de quais detalhes poderiam ser compartilhados por pedidos simples, como ofícios.

Recentemente, uma reportagem do jornal alemão Der Spiegel apontou que o Telegram compartilhou informações sobre suspeitos de abuso infantil e terrorismo com o governo alemão. O país teria pressionado a plataforma há algum tempo para auxiliar nas investigações de grupos de extrema-direita e, após certa dificuldade, a convenceu de fornecer detalhes sobre potenciais criminosos.

No FAQ do Telegram sobre o compartilhamento de informações de usuários, o mensageiro esclarece que divulgará endereços de IP e números de telefone caso receba ordens judiciais — até agora, porém, "isso nunca aconteceu", pontua a empresa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos