Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.355,69
    +780,81 (+1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Telefónica de olho em compras em nuvem e segurança cibernética

Rodrigo Orihuela e Macarena Munoz Montijano
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Telefónica planeja uma onda de compras de empresas de computação em nuvem e segurança cibernética para ganhar a escala necessária e competir com companhias de serviços de TI puras como International Business Machines, Atos e Endava.

A operadora de telefonia espanhola tem como meta crescimento anual de vendas de dois dígitos para o negócio de tecnologia que foi separado do resto da empresa no mês passado, disse José Cerdán, CEO da divisão, em entrevista à Bloomberg News.

“Vamos ser compradores. Buscaremos adquirir empresas de médio porte que se encaixem em nosso negócio e nos ajudem a crescer mais”, disse Cerdán em sua primeira entrevista à mídia no novo cargo.

A prioridade é crescer em áreas onde a Telefónica já compete. “Não estou buscando um produto, estou buscando crescer”, disse Cerdán.

As atividades de tecnologia da Telefónica são muito menores do que seu tradicional negócio de telecomunicações agora mais reduzido, mas crescem rapidamente. A receita com serviços de computação em nuvem aumentou mais de 20% no ano passado, e as vendas em ciberssegurança subiram 12%.

É uma das várias empresas de telecomunicações europeias que tentam extrair mais valor de negócios não essenciais e infraestrutura para recuperar os preços das ações. Provedores de serviços de tecnologia negociam a uma média de 14 vezes o valor da empresa em relação ao Ebitda, em comparação com o indicador de 5,7 para a Telefónica, segundo dados compilados pela Bloomberg.

A separação da Telefónica Tech levou mais de um ano e criou uma empresa cujo foco principal é ajudar corporações a migrarem suas operações de tecnologia da informação (TI) para grandes plataformas em nuvem, como Amazon Web Services e Azure, da Microsoft. A Telefónica pode então vender seus próprios serviços, como segurança cibernética e análise de big data.

Muitos provedores de serviços de TI que se posicionaram como revendedores e agregadores de serviços de computação em nuvem buscam se manter de pé quando as maiores plataformas em nuvem dos Estados Unidos ganham uma parcela cada vez maior dos orçamentos corporativos de TI.

A Telefónica vê uma possível vantagem inicial sobre empresas como Atos, Endava, Tata Consultancy Services e DXC Technology no relacionamento com grandes empresas que já utilizam os serviços de telefonia e dados da Telefónica.

“As empresas de telecomunicações se beneficiam de nossa extensa rede e história”, disse Cerdán, apontando para a grande presença da empresa na Espanha e no Brasil. “Nosso objetivo é continuar crescendo em dois dígitos e podemos fazer isso perfeitamente, sem problemas.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.