Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,03
    -0,10 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.869,40
    +3,50 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    30.263,35
    -418,32 (-1,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    608,80
    -71,11 (-10,46%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.535,27
    -221,59 (-0,77%)
     
  • NASDAQ

    13.392,00
    -3,50 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5084
    0,0000 (0,00%)
     

Telefónica lança plano para aumentar receita em US$2,2 bi até 2022

MADRI (Reuters) - A Telefónica divulgou nesta quarta-feira um plano para separar parte de seus negócios na América Latina e reagrupar atividades de cibersegurança e computação em nuvem, de olho em obter mais de 2 bilhões de euros por ano em receita adicional até 2022.

"O modelo está esgotado e precisamos nos reinventar", disse o presidente-executivo, Jose Maria Alvarez-Pallete, durante entrevista coletiva convocada logo após uma reunião do conselho de administração do grupo em Madri, durante a qual o plano foi aprovado.

A estratégia prevê uma "separação operacional" dos negócios em língua espanhola da Telefónica na América Latina, deixando a companhia focada nos mercados da Espanha, Reino Unido, Brasil e Alemanha. Pallete afirmou que a Telefónica vai conduzir uma revisão estratégica e que está aberta a fusões e aquisições.

A companhia espera que a receita adicional virá de uma nova unidade chamada Telefónica Tech, formada inicialmente pelo grupamento dos negócios da empresa nas áreas de cibersegurança, Internet das Coisas e computação em nuvem.

"Tudo será conectado e emitirá informações em tempo real, então haverá uma explosão de dados", disse o presidente da Telefónica.

A empresa também informou que vai criar uma unidade para abrigar sua carteira de torres de comunicações. A divisão fornecerá serviços para outras operadoras e incorporará parceiros.

(Por Andrés Gonzalez)