Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.227,23
    +1.706,75 (+2,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Telefónica corta dividendo após resultado de 2020

Isla Binnie
·1 minuto de leitura

Por Isla Binnie

MADRI (Reuters) - A Telefónica cortou dividendo depois de sofrer queda de 10% no resultado de 2020, apesar da companhia esperar que os negócios se estabilizem neste ano.

A Telefónica, assim como rivais europeus, já enfrentava ritmo de crescimento fraco antes da chegada da pandemia e está focando investimentos no Brasil, Inglaterra, Espanha e Alemanha, vendendo ativos para reduzir dívida e financiar construção de redes 5G.

Investidores apoiaram a redução do dividendo para 0,30 euro por ação em 2021 ante 0,40 euro em 2020, como forma da empresa reduzir dívida que tem pesado sobre a cotação dos papéis. As ações da companhia subiam mais de 2% às 9h50 (horário de Brasília).

A dívida da Telefónica é de cerca de 2,6 vezes o lucro operacional de 2020 e o presidente-executivo, José María Álvarez-Pallete, afirmou que o "compromisso de melhoria não vai parar aqui". O executivo afirmou que operações planejadas para 2021 vão reduzir a dívida em mais 9 bilhões de euros.

Alvarez-Pallete disse que espera que a receita e o lucro operacional antes de depreciação e amortização vão se estabilizar este ano e que o nível de investimento em relação às vendas ficará em 15%.

"Em 2020, fomos colocados à prova", disse o executivo.