Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.728,18
    -1.452,71 (-3,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Teia cósmica no universo local é mapeada por meio de simulação

·3 minuto de leitura

Um novo estudo usou aprendizado de máquina para construir um mapa da matéria escura no universo. O método usou informações sobre a distribuição e o movimento das galáxias para prever a distribuição da matéria escura, e resultou em um mapeamento que também revela estruturas filamentares até então desconhecidas, conectando as galáxias.

Os pesquisadores construíram e treinaram o modelo computacional usando um grande conjunto de simulações de galáxias, em especial aquelas comparáveis à Via Láctea, mas também incluíram gases e outras matérias visíveis, além da própria matéria escura. Assim, eles puderam identificar as propriedades das galáxias que são necessárias para prever a distribuição da matéria escura.

A matéria escura é uma substância invisível que só pode ser analisada através da sua interação gravitacional com objetos como galáxias. Na verdade, os cientistas concordam que a matéria escura é uma das grandes responsáveis pela organização das galáxias que conhecemos hoje. Mas ela também fornece o esqueleto para a não menos famosa teia cósmica. Essa teia é um conjunto de estruturas semelhantes a filamentos, conectando galáxias entre si e distribuindo gases para alimentá-las.

Embora a palavra sugira algo pequeno, os filamentos são as maiores estruturas conhecidas no universo, e formam os limites entre os grandes vazios do universo. O problema é que mapear a teia cósmica é bem complicado, principalmente quando se trata do universo local, que é onde nós estamos. As tentativas anteriores de mapear a teia cósmica usaram uma simulação do universo primordial e sua evolução ao longo de bilhões de anos, e houve até mesmo quem usasse um organismo unicelular como base para uma simulação, mas isso não forneceu detalhes do universo local.

(Imagem: Reprodução/Hong/Astrophysical Journal)
(Imagem: Reprodução/Hong/Astrophysical Journal)

No que diz respeito à matéria escura, a dificuldade é semelhante. "Ironicamente, é mais fácil estudar a distribuição da matéria escura muito mais longe porque ela reflete o passado muito distante, que é muito menos complexo", disse Donghui Jeong, um dos autores do novo artigo. Isso ocorre porque quanto mais longe olhamos no universo, mais estamos observando o passado. "Com o tempo, conforme a estrutura em grande escala do universo cresceu, a complexidade do universo aumentou, então é inerentemente mais difícil fazer medições sobre a matéria escura local".

Por isso a equipe escolheu uma abordagem completamente diferente das anteriores, que é através de um modelo do universo atual, com os dados que se conhece das galáxias e da matéria escura. Assim, o aprendizado de máquinas foi capaz de simular como deve ser a estrutura dos filamentos e a distribuição da matéria escura invisível no universo local, e também identificou várias novas estruturas que requerem investigação adicional.

Apesar disso, os pesquisadores ainda pretendem melhorar a precisão do mapa adicionando mais galáxias, incluindo as de brilho mais fraco, as que estão mais distantes e aquelas que ainda nem sequer foram observadas. Para isso, será necessário tempo em pesquisas usando instrumentos da próxima geração, como o Telescópio Espacial James Web.

Para Jeong, "ter um mapa local da teia cósmica abre um novo capítulo do estudo cosmológico. Podemos estudar como a distribuição da matéria escura se relaciona com outros dados de emissão, o que nos ajudará a entender a natureza da matéria escura. E podemos estudar essas estruturas filamentares diretamente, essas pontes ocultas entre galáxias”. O resultado foi publicado no Astrophysical Journal.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: