Mercado abrirá em 9 h 5 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,50
    +0,11 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.879,20
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    13.225,70
    +8,41 (+0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,72
    -10,97 (-4,02%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.445,85
    -262,95 (-1,06%)
     
  • NIKKEI

    23.261,98
    -156,53 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    11.233,50
    +100,75 (+0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7379
    +0,0035 (+0,05%)
     

TEEVO e LGTI se unem em nova empresa de nuvem da Microsoft

Wagner Wakka
·2 minutos de leitura

Duas das principais parceiras da Microsoft para o serviço de nuvem no Brasil estão seus braços de nuvem. A TEEVO SA e da LGTi Tecnologia anunciaram nesta terça-feira (29) a união de seus setores de nuvem que forma uma nova empresa chamada SOU.cloud.

Com clientes das duas companhias originais, a nova empresa conta com mais de mil clientes. A SOU.cloud será focada no Azure, voltado para serviços de empresas por nuvens, para clientes do mercado. Na carteira da nova companhia, estão nomes como Aeroporto de Viracopos, Usaflex, Granol, Havan, Marilan, Grupo KYLY, Fruki, Banco BMG, Agrodanieli, Via Certa, RedeOBA, Soprano e Neugebauer.

Segundo Fabio Junges, CEO da SOU.cloud, a principal desafio do setor no Brasil é fugir do básico do serviço. “O primeiro desafio é mostrar que cloud que é mais que infraestrutura, que maquina virtual e armazenamento. Estamos falando de um catálogo gigantesco, que podemos modernizar o ambiente do cliente e personalizar usando estruturas locais”, informa.

Em entrevista ao Canaltech, Junges relatava que interesse por empresas para o setor de nuvem também aumentou por conta da pandemia de COVID-19, quando empresas precisaram se adaptar para o trabalho remoto.

<em>CEO da SOU.cloud, Fabio Junges (Foto: Reprodução/Marinei Carvalho)</em>
CEO da SOU.cloud, Fabio Junges (Foto: Reprodução/Marinei Carvalho)

"Percebmos algumas coisas: primeiro que quem já estava em nuvem enfrentou mais fácil esse momento de pandemia. Para quem não estava, percebemos outras duas coisas. A primeira foi a necessidade de levar isso para nuvem, para seus usuários poderem ter acesso à infraestrutura de casa. Depois foi a adoção de ferramentas remotas, como o Microsoft Teams, que agora explodiu em utilização”, lembra.

Segundo a Microsoft, o número de reuniões virtuais aumentou em 500% após o início da pandemia, em dados divulgados em março deste ano.

De acordo com o CEO da SOU.cloud, a proposta é colaborar com companhias que queiram migrar para serviços em nuvem, como soluções de colaboração, ERPs, banco de dados e sistemas legados. Além disso, também oferece serviços para otimização de aplicações para empresas que já trabalham com nuvem. Tanto a TEEVO SA quanto LGTI Tecnologia continuarão existindo em paralelo sem oferta de serviços de nuvem.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: