Mercado abrirá em 9 h 9 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,46
    -0,09 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.788,50
    +28,60 (+1,63%)
     
  • BTC-USD

    17.125,22
    +120,79 (+0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,90
    +5,20 (+1,30%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.864,54
    +267,31 (+1,44%)
     
  • NIKKEI

    28.281,04
    +312,05 (+1,12%)
     
  • NASDAQ

    12.032,75
    -9,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3965
    0,0000 (0,00%)
     

As tecnologias espaciais oferecem a oportunidade de atingir um sexto dos cortes de emissões necessários para atingir o Net Zero até 2050

Novo relatório da Inmarsat e Globant revela que as tecnologias de satélite existentes podem economizar até 5,5 bilhões de toneladas de CO2 por ano

LONDRES, October 27, 2022--(BUSINESS WIRE)--As tecnologias de satélite já estão reduzindo as emissões de carbono em 1,5 bilhões de toneladas (ou 1,5 gigatoneladas) a cada ano, de acordo com pesquisa independente encomendada pela Inmarsat de consultores líderes no Sustainable Business Studio da Globant. Isto é equivalente a quase um terço de todas as emissões de carbono dos Estados Unidos em 2021[1][2], ou as emissões de 50 milhões de automóveis produzidos ao longo da vida útil[3].

Ao demonstrar as possibilidades das tecnologias espaciais na corrida para o Net Zero, o relatório se concentra em três setores industriais: 1) transporte e logística, 2) agricultura, silvicultura e outros usos da terra e 3) sistemas energéticos. Juntos, estes respondem por aproximadamente 60% das emissões globais[4].

Se as tecnologias de satélite fossem adotadas universalmente por estes setores, a economia de CO2 que está sendo realizada atualmente através das tecnologias de satélite poderia quase quadruplicar para até 5,5 bilhões de toneladas por ano com base apenas nas tecnologias atuais, sugere a análise Globant.

Isto equivale a um sexto do total de emissões de carbono atualmente estimado como necessário para manter as temperaturas globais abaixo de 1,5 °C até 2030 - ou um terço do necessário para manter os aumentos de temperatura abaixo de 2 °C[5] – destacando o impacto positivo que as tecnologias espaciais poderiam ter sobre o maior desafio único que o mundo enfrenta.

Com base nas pesquisas, os cálculos do Globant sugerem que o mundo está atualmente perdendo até 4 bilhões de toneladas de reduções potenciais e imediatas de CO2 [6] por não aproveitar as capacidades de descarbonização das tecnologias de satélite. Estas tecnologias permitem economia no consumo de combustível e melhor direcionamento no transporte, redução do uso de energia e otimização na energia e até mesmo prevenção de incêndios na silvicultura, entre muitas outras.

Rajeev Suri,diretor executivo da Inmarsat, disse: "A ação para enfrentar a descarbonização é uma prioridade global, e as tecnologias espaciais oferecem uma fonte significativa de esperança para enfrentar este desafio. Nosso relatório, encomendado pela Globant, ressalta como o espaço pode oferecer economias significativas de emissões de carbono agora e economias ainda maiores no futuro - contribuindo diretamente para a luta contra a mudança climática".

"Enquanto os líderes mundiais se reúnem em breve para a COP27, oferecemos a eles a oportunidade de analisar o papel das tecnologias de satélite dentro de suas estratégias de descarbonização e os incentivamos a trabalhar em estreita colaboração com nosso setor para coletar mais efetivamente os dados que precisamos para fazer uma contribuição significativa para reduzir os riscos do aumento da temperatura da Terra. Na COP27 e além, esperamos trabalhar com os líderes mundiais e do setor para aproveitar esta oportunidade e efetuar mudanças reais e duradouras para nosso planeta".

Recentes pesquisas de consumo realizadas para a Inmarsat como parte de sua iniciativa "O que na Terra é o valor do espaço?" descobriram que 4 em cada 10 pessoas acham que o espaço pode ajudar a resolver as alterações climáticas[7] . As conclusões do segundo estudo da iniciativa devem ser particularmente animadoras para esta grande minoria.

Posto isto, a tecnologia de satélite não é, de forma alguma, a única solução para as alterações climáticas. O trabalho crucial sobre fontes alternativas de energia e novas tecnologias de armazenamento de energia e outras soluções precisa continuar em pleno ritmo. Mas a economia disponível das tecnologias espaciais existentes pode ter um impacto imediato - ajudando a potencialmente ganhar mais tempo para que essas soluções adicionais sejam desenvolvidas e implantadas.

Em termos futuros, o relatório Globant também concluiu que 8,8 bilhões de toneladas de emissões de carbono - equivalente a quase um quarto (23%) das emissões globais em 2021[8], ou as emissões per capita de 1,8 bilhões de pessoas[9] – podem ser poupadas se a riqueza das tecnologias espaciais nascentes que estão surgindo ou prestes a surgir forem amplamente adotadas nos próximos anos. Estas incluem:

  • Em navios marítimos, os navios autônomos podem economizar 400 milhões de toneladas, por meio da redução do consumo de combustível

  • Em energia, a otimização energética impulsionada pela IA para a transição energética pode economizar 1,3 bilhões de toneladas de CO2

  • Na aviação, a tecnologia Iris da ESA [European Space Agency] pode economizar 100 milhões de toneladas de carbono se for adotada em toda a indústria da aviação - com a primeira aeronave pronta para voar no início de 2023

Martin Umaran, cofundador e presidente da EMEA na Globant, disse: "Como uma empresa nativa digital, estamos constantemente nos esforçando para entender e valorizar o papel que as tecnologias revolucionárias desempenham em tópicos primordiais para o bem maior, como a sustentabilidade e a corrida para o Net Zero. É por isso que este esforço conjunto com a Inmarsat é ao mesmo tempo emocionante e impactante para nós. Na Globant, somos pioneiros em sustentabilidade movidos pela tecnologia, e a sinergia com a tecnologia de comunicação por satélite proporciona como resultado uma liderança de pensamento sem precedentes em descarbonização".

[1] ONS

[2] https://www.statista.com/statistics/183943/us-carbon-dioxide-emissions-from-1999/

[3] Cerca de 66.000 libras de CO2 [são] emitidas por um veículo a combustão interna (VCI) (assumindo 93.000 milhas conduzidas)

[4] Incluídos na pesquisa: transporte (15% das emissões globais), agricultura, silvicultura e uso da terra (22%), eletricidade e calor (23%)

[5] "A lacuna de emissões em 2030… é estimada em 12-15 Gt CO2 para limitar o aquecimento global a menos de 2 °C e 29-32 Gt CO2e a 1,5 °C".

[6] A diferença entre 1,5 bilhões de toneladas de economia existente, e as 5,5 bilhões de toneladas de economia projetadas a partir da adoção integral das tecnologias de satélite

[7] https://www.inmarsat.com/en/news/latest-news/corporate/2022/people-unaware-concerned-space-landmark-report.html

[8] "Em 2021, as emissões globais de CO2 ... totalizaram 37,9 Gt CO2"

[9] https://www.statista.com/statistics/268753/co2-emissions-per-capita-worldwide-since-1990/

SOBRE A INMARSAT
Inmarsat fornece comunicações móveis globais, inovadoras, avançadas e excepcionalmente confiáveis – no ar, no mar e em terra – que permitem uma nova geração de serviços comerciais, empresariais, governamentais e de missão crítica, incluindo a digitalização dos setores marítimo e aéreo.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Ver a versão original em businesswire.com: https://www.businesswire.com/news/home/20221026005110/pt/

Contacts

Mídia: press@inmarsat.com