Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,75
    +0,25 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.772,10
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    23.230,67
    -125,41 (-0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,74
    +1,01 (+0,18%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.518,25
    -5,00 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2349
    +0,0211 (+0,40%)
     

Tecnologia ganha relevância, mas ainda gera dúvidas em empresários

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Enquanto a adoção em massa dos computadores demorou décadas e a dos smartphones levou poucos anos, as próximas transformações tecnológicas que afetam empresas e consumidores podem ser mais rápidas.

A pandemia de Covid-19 tornou a digitalização ainda mais urgente. Com consumidores e boa parte dos funcionários em casa, foi ampliado tanto o uso do comércio eletrônico como também o de ferramentas para o trabalho remoto e o atendimento a distância nos serviços financeiros, além de consultas médicas.

A avaliação do mercado é a de que a adoção da tecnologia avançou décadas em apenas dois anos. "O cenário é de máxima agilidade e integração", diz Alberto Luiz Albertin, professor da FGV (Fundação Getulio Vargas).

Segundo levantamento da Abes (Associação Brasileira das Empresas de Software) a partir de dados da consultoria global IDC, as empresas brasileiras investiram US$ 45,7 bilhões (R$ 240 bilhões) em 2021, 17,4% a mais do que no ano anterior. Globalmente, o avanço foi de 11% no mesmo período.

Para Jorge Sukarie, membro do conselho consultivo da associação, houve um avanço no investimento em tecnologia provocado pela adoção em massa do trabalho remoto.

Como consequência, 56,7% dos gastos das empresas se concentraram na aquisição de hardwares, enquanto 24,65% dos investimentos foram direcionados à contratação de softwares e 17,67% para a aquisição de serviços.

Segundo Sucari, essa distribuição indica que o Brasil e suas empresas ainda têm muito espaço para crescer e amadurecer em tecnologia. Ele diz que economias mais desenvolvidas tendem a já ter uma infraestrutura bem estabelecida e, por isso, apresentam uma divisão mais igualitária entre diferentes tipos de investimento no setor.

Mesmo sendo vital para os negócios, o assunto ainda gera muitas dúvidas. Aliás, o que é tecnologia mesmo? Essa é uma pergunta de muitos usuários da internet.

A reportagem consultou especialistas para obter respostas a essa e outras questões frequentes relacionadas ao tema. As perguntas foram selecionadas entre as pesquisas mais feitas no Google sobre o assunto.

*

1. O que é tecnologia para empresas?

Apesar de tecnologia ser uma palavra abrangente, aplicada a qualquer conjunto de conhecimentos usados para resolver problemas de diferentes áreas, hoje ela está fortemente associada às ferramentas surgidas no universo digital.

Para Rafael Lucchesi, diretor geral do Senai, o fenômeno reflete o espírito de nosso tempo, no qual uma grande variedade de inovações vem, de fato, das empresas de tecnologia da informação. “Se estivéssemos na Inglaterra durante a Revolução Industrial, tecnologia seria para nós a máquina a vapor. Por outro lado, nos Estados Unidos do início do século 20, seria sinônimo de motor à combustão.”

2. Qual a importância para empresas?

Alberto Luiz Albertin, professor da FGV, diz que é quase impossível imaginar uma companhia que atue sem tecnologia. Precisará dela tanto para lidar com questões operacionais, como gerenciar contabilidade e pagar impostos, como também para ampliar suas vendas a partir de canais digitais.

Marco Vinholi, que é superintendente do Sebrae-SP (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), destaca que adotar tecnologia é importante para companhias de todos os portes.

De acordo com pesquisa feita pela entidade, o percentual de micro e pequenos negócios que vendem pela internet passou de 47% em 2019 para 71% em 2022.

3. Que áreas de uma empresa mais se beneficiam de tecnologia?

Todos os departamentos da empresa podem se beneficiar. Além de viabilizar a criação de sites e aplicativos para vendas, a tecnologia também

apoia o relacionamento com clientes, mantendo histórico de compras e antecipando possíveis demandas.

A seguir, aparece com força na gestão e automatização fabril e nas áreas operacionais, ajudando na tomada de decisões.

Na área de RH, a tecnologia pode automatizar processos para gestão da folha de pagamentos, por exemplo.

Os softwares também são usados para apoiar a gestão financeira e garantir a adequação de estoques.

4. Quais tecnologias são ultrapassadas e colocam uma empresa em risco?

Os especialistas não elencam uma tecnologia específica que está obsoleta, mas afirmam que há uma atualização constante na área que precisa ser acompanhada. Softwares de gestão de negócios, por exemplo, já existem há décadas, mas têm se tornado mais eficientes conforme deixam de apresentar a empresa de modo compartimentado.

Como resultado, ganhou espaço a tendência do Software as a Service, ou seja, a contratação de um software a partir de pagamento mensal ou anual, em vez da compra. Com isso, a empresa passa a acompanhar as atualizações de forma automática.

5. Qual o impacto a tecnologia traz para as empresas?

Paulo Ossamu, diretor executivo de tecnologia da consultoria Accenture na América Latina, diz que a tecnologia impacta tanto a relação com clientes como os processos internos. Também substitui ações que envolvem riscos e possibilita a criação de novos modelos de negócios.

6. Quais as desvantagens?

A adoção da tecnologia permite que empresas sejam mais produtivas. Por outro lado, há o risco de se investir em um grande projeto sem que a companhia ou o mercado estejam maduros o suficiente para absorvê-lo, diz Carlos Fogarolli, sócio líder de enterprise technology e performance da Deloitte.

Outro tema importante em relação à tecnologia é o risco envolvendo segurança, em especial após a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados, que prevê sanções em caso de vazamento ou uso inadequado de informações.

Vinholi, do Sebrae, lembra que o investimento em tecnologia também pode exigir dedicação da equipe a treinamentos, contratação de mais funcionários, gastos com segurança cibernética e tempo para maturação.

7. Quais são as tendências em tecnologia para empresas?

Entre as tecnologias mais citadas se destacam a inteligência artificial, as redes blockchain, a computação em nuvem e a computação quântica. A tecnologia 5G, que acaba de chegar ao Brasil, também deve aumentar o uso de ferramentas que precisam de maior velocidade de tráfego de dados, em especial a internet das coisas e os veículos autônomos.

Albertin, da FGV, diz que o momento agora é das tecnologias que permitem a integração e o aproveitamento de dados de diferentes fontes. O metaverso é uma aposta de parte dos especialistas, mesmo que seu potencial não esteja totalmente claro.

8. Como as empresas podem ter acesso à tecnologia?

Uma forma é observar o que é feito pela concorrência e por empresas de outros setores. Também é comum que novas tecnologias sejam apresentadas em feiras de negócios. Ossamu, da Accenture, acrescenta a parceria com startups. Além disso, as empresas podem buscar consultorias.

9. Como calcular o investimento necessário?

O volume dedicado à inovação dependerá do setor da empresa e de sua estratégia. Ricardo Tiezi, da consultoria BCG, recomenda que, antes de

comprar uma nova tecnologia, o empresário analise primeiro quais os problemas que precisa resolver e quais oportunidades terá.

10. Como o uso da tecnologia nas empresas pode ajudar no crescimento?

“Se a tecnologia é o fator principal de competitividade de uma firma, para um país, para seu território, ela é o principal fator de desenvolvimento econômico sustentável a longo prazo”, diz o economista Rafael Lucchesi, do Senai

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos