Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.696,67
    -2.076,38 (-4,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Tecnologia brasileira garante precisão de 99% no reconhecimento facial de negros

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

Uma tecnologia brasileira obteve o maior nível de precisão no reconhecimento facial de diferentes etnias, a partir de um banco de dados voltado para testes dessa categoria. O sistema, desenvolvido pela startup CyberLabs, do Rio de Janeiro, apresentou um índice de 99,84% na detecção de rostos de pessoas negras, enquanto outras soluções que, inclusive, já são utilizadas no mercado, apresentam um total que varia de 75,8% a 87,5%.

A base dos testes foi o banco de dados Racial Faces in the Wild (RFW), que traz um conjunto de mais de quatro milhões de rostos de diferentes etnias, sendo voltado justamente para estudos que aumentem a precisão desse tipo de detecção — ou para comprovar o racismo algorítmico presente na maioria das soluções presentes no mercado. O total de 99,8% de reconhecimentos corretos obtidos pela solução da startup brasileira também envolve rostos indígenas e asiáticos, que aparecem ao lado de brancos no conjunto disponibilizado.

Durante os estudos, a tecnologia foi condicionada a levar em conta um conjunto mais abrangente de características, como cor da pele, traços e formato dos olhos. Apesar do foco internacional do banco de dados RFW, a CyberLabs fala em uma solução voltada para a diversidade da população brasileira, que segundo o presidente da empresa, Marcelo Sales, também se refletiu no conjunto de informações com o qual o sistema foi alimentado, em um trabalho que continua mesmo após o índice positivo dos testes.

A tecnologia foi batizada de KeyApp e foi desenvolvida com o auxílio da plataforma Nvidia Enterprise, voltada para acelerar o treinamento e condicionamento de inteligências artificiais enquanto otimiza o poder computacional necessário. A solução nacional passou por três anos de desenvolvimento antes de chegar ao mercado de forma experimental, em março de 2020 — antes da parceria, seu índice de detecção era de 90,98%.

Depois dessa união de forças, entretanto, a velocidade dos trabalhos foi amplamente aumentada. No comunicado oficial sobre a marca, a CyberLabs fala em trabalhos que, originalmente, levavam de duas a três semanas e foram reduzidos para sete dias com a ajuda da tecnologia GPU T4 da Nvidia, focada em tarefas de deep learning e treinamento de inteligências artificiais.

Agora, o desenvolvimento continua, assim como o foco atual do KeyApp, que é voltado para reconhecimento facial e controle de acesso, monitorando pessoas sem contato físico. A ferramenta é fornecida de maneira gratuita para entidades públicas e já está implementada no Centro de Operações Rio, instalação da prefeitura da capital carioca, e na Santa Casa de Itajubá, em Minas Gerais.

Além disso, a solução também está disponível em forma de aplicativo gratuito na App Store, do iOS, ou Google Play Store, do Android. Na versão, é possível configurar portais e criar sistemas de segurança envolvendo reconhecimento facial, diferentes tipos de dispositivos e QR Codes, além de gerenciar diretamente cada uma das entradas, com filtros de acesso e APIs.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: