Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,41
    +0,24 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.871,60
    +3,60 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    13.553,20
    +122,53 (+0,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,59
    +22,91 (+9,44%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.515,09
    -71,51 (-0,29%)
     
  • NIKKEI

    23.134,40
    -197,54 (-0,85%)
     
  • NASDAQ

    11.186,00
    -156,75 (-1,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7507
    +0,0051 (+0,08%)
     

Técnico do "Bayern paraguaio", Arce quer trabalhar no Brasil

Jorge Nicola
·2 minutos de leitura
Arce não perde com o Cerro desde 1º de março (Luis Vera/Getty Images)
Arce não perde com o Cerro desde 1º de março (Luis Vera/Getty Images)

Campeão com uma rodada de antecedência, sem perder há 15 jogos, com 11 vitórias consecutivas... esses são só alguns dos motivos que fizeram o Cerro Porteno ser chamado recentemente de Bayern Paraguaio. E o técnico deste time é Arce, ex-lateral-direito de Palmeiras e Grêmio.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

A boa notícia para os torcedores brasileiros é que Arce está muito disposto a trocar o Paraguai pelo Brasil em breve. A amigos mais próximos, ele já contou que dará prioridade justamente para os dois clubes onde já esteve e colecionou uma legião de fãs.

Leia também:

Só tem um detalhezinho importante: o paraguaio de 49 anos de idade não quebra seus contratos em hipótese alguma e o atual vínculo com o Cerro Porteño só termina em dezembro do ano que vem. Desta maneira, Verdão e Tricolor terão de esperar pouco mais de uma temporada se quiserem contratá-lo ou terão de torcer por sua demissão.

Em 2014, aconteceu algo curioso: em maio, Omar Feitosa ligou em nome do Palmeiras para convidá-lo. O treinador disse que não poderia deixar o Cerro Porteño. Três meses depois, o clube o dispensou e o Verdão já havia contratado um novo treinador, Ricardo Gareca.

Foi o mais perto que Arce já esteve do futebol brasileiro desde que se tornou treinador. Mas, a julgar pelos resultados, ele nunca esteve tão preparado quanto atualmente. Depois de ser campeão da segunda divisão com o Rubio Ñu, ele coleciona taças por Olimpia e Cerro.

Seu atual time é o melhor do país em bastante tempo, tendo acabado com uma sequência de quatro títulos consecutivos do Olimpia. Antes da pandemia, o Cerro estava há seis jogos sem vitórias e tinha sete pontos a menos do que o líder Libertad. Com tempo para arrumar a equipe, Arce transformou o Cerro em uma máquina de vitórias.

Tanto que emplacou os 11 triunfos consecutivos, recorde na história do Cerro, e ainda de quebra não perde há 15 rodadas - o último tropeço foi em 1º de março.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos