Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.782,30
    -2.270,89 (-5,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Tecidos feitos com fibras digitais programáveis vão vestir as pessoas no futuro

·3 minuto de leitura

Você usaria uma roupa digital com recursos programáveis, capaz de medir a temperatura corporal, armazenar sua playlist preferida ou monitorar o seu desempenho físico em tempo real? Segundo os cientistas do MIT, nos EUA, a vestimenta do futuro pode fazer tudo isso e muito mais sem precisar sair da moda.

A fibra digital pode ser costurada em tecidos comuns e lavada por pelo menos 10 vezes sem quebrar ou perder a capacidade de registrar informações que podem ser usadas em avaliações físicas, inferências médicas e até na detecção de doenças em estágio inicial.

“Este trabalho apresenta a primeira realização de um tecido com a capacidade de armazenar e processar dados digitalmente, adicionando uma nova dimensão de conteúdo de informação aos têxteis e permitindo que os tecidos sejam literalmente programados para executar determinada função”, afirma o principal responsável pelo estudo, professor Yoel Fink.

Imagem ampliada da fibra digital (Imagem: Reprodução/MIT)
Imagem ampliada da fibra digital (Imagem: Reprodução/MIT)

Costura hi-tech

A nova fibra programável foi desenvolvida com a ajuda de centenas de microchips digitais de silício colocados em um molde para criar uma camada de polímero fina e flexível, que pode ser usada como uma linha comum estreita o suficiente para passar pelo buraco de uma agulha.

Controlando o fluxo do polímero, os pesquisadores conseguiram criar uma fibra com conexões elétricas contínuas entre os chips ao longo de vários metros, sem perder as propriedades energéticas necessárias para a transmissão de dados.

“Você pode pensar em nossa fibra como um corredor e os elementos são como quartos e cada um tem seus próprios números digitais exclusivos. Nossa equipe desenvolveu um método de endereçamento digital que permite “ligar” a funcionalidade de um elemento sem ligar todos os elementos ao mesmo tempo, explica o coautor do estudo, Gabriel Loke.

Fibra programável pode passar pelo buraco de uma agulha (Imagem: Reprodução/MIT)
Fibra programável pode passar pelo buraco de uma agulha (Imagem: Reprodução/MIT)

Para guardar na memória

Durante os testes de laboratório, os cientistas conseguiram escrever, armazenar e ler informações na fibra digital. Eles gravaram um vídeo de curta-metragem colorido de 767 kilobits e um arquivo de música contendo 0,48 megabyte na memória do tecido. Esses arquivos permaneceram armazenados por dois meses seguidos, sem a necessidade de uma fonte de energia.

Além da capacidade de armazenar dados, a fibra digital também tem uma rede neural com 1650 conexões, capaz de identificar diferentes tipos de comportamento envolvendo atividades físicas.

Os pesquisadores costuraram um pedaço de tecido com a fibra ao redor da axila de uma camisa comum. Eles coletaram 270 minutos de dados sobre a temperatura corporal da pessoa que vestia a roupa, analisando como essas informações correspondiam a tipos diferentes de exercícios.

Ao treinar a IA da fibra digital com esses dados, ela foi capaz de determinar com 96% de precisão qual era a atividade física envolvida. “Este tipo de tecido poderia fornecer dados de código aberto com quantidade e qualidade para extrair novos padrões corporais que não conhecíamos antes”, completa Gabriel Loke.

Fibras funcionais podem armazenar dados sem abrir mão do conforto (Imagem: Reprodução/MIT)
Fibras funcionais podem armazenar dados sem abrir mão do conforto (Imagem: Reprodução/MIT)

Tecnologia x conforto

Os pesquisadores garantem que quando a fibra é costurada em uma peça de roupa comum, feita de algodão, por exemplo, ela permanece imperceptível ao toque e não gera qualquer tipo de desconforto para o usuário.

Por enquanto, a fibra digital é controlada por um pequeno dispositivo externo, mas a ideia é projetar um chip com um microcontrolador que possa ser conectado diretamente dentro do próprio tecido programável, melhorando a autonomia e a eficiência durante o processamento dos dados.

“Com esse poder analítico, as fibras algum dia poderiam sentir e alertar as pessoas em tempo real sobre mudanças na saúde, como declínio respiratório ou batimento cardíaco irregular, ou fornecer dados de frequência cardíaca para atletas durante o treinamento”, afirma o professor Yoel Fink.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos