Mercado fechará em 1 h 39 min
  • BOVESPA

    101.770,11
    +1.217,67 (+1,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.476,80
    -192,45 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,71
    +0,68 (+1,70%)
     
  • OURO

    1.902,10
    -27,40 (-1,42%)
     
  • BTC-USD

    13.060,31
    +2.003,30 (+18,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,56
    +7,46 (+2,91%)
     
  • S&P500

    3.446,14
    +10,58 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    28.307,69
    +96,87 (+0,34%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.627,25
    -64,00 (-0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5837
    -0,0663 (-1,00%)
     

TCU e Congresso veem tentativa de drible no teto em proposta do Renda Cidadã

·5 minutos de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O anúncio de que o Renda Cidadã, programa com o qual o governo quer substituir o Bolsa Família, deve ser financiado com limitação dos gastos de precatórios e recursos do Fundeb (fundo para educação básica) gerou críticas de que se trataria de tentativa de driblar o teto de gastos. No TCU (Tribunal de Contas da União) e no Congresso, a proposta foi vista como uma maneira de turbinar o programa social com uma “contabilidade criativa”, mesma estratégia usada para melhorar o resultado fiscal do país no governo Dilma Rousseff. Até entre auxiliares do ministro Paulo Guedes (Economia), a solução encontrada é vista como uma 'pedalada'. Pela proposta apresentada, o governo prevê limitar a 2% da receita corrente líquida o gasto com precatórios (ordem para pagamento de dívidas de órgãos públicos federais). O que sobrasse, até R$ 55 bilhões, seria usado no Renda Cidadã. Além disso, quer usar 5% dos recursos novos do Fundeb para ajudar as famílias que estarão no programa a manter os filhos na escola. Cálculos da organização Todos pela Educação, a retirada seria equivalente a R$ 8 bilhões e impactaria "os municípios mais pobres do país, uma vez que a complementação da União é direcionada justamente para as redes de ensino mais vulneráveis", indicou, em nota. De acordo com a entidade, seriam 2.700 municípios e 17 milhões de estudantes afetados, "principalmente aqueles das creches e pré-escolas". As primeiras reações apareceram menos de uma hora após a divulgação. Auxiliares do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), consideraram inadmissível financiar o Renda Cidadã com dinheiro destinado a precatórios e classificaram a medida como calote. Além disso, avaliaram que o uso de recursos do Fundeb para abastecer o programa desrespeita o teto de gastos. Em uma rede social, Maia escreveu que governo e Congresso “precisam enfrentar o desafio de regulamentar o teto de gastos JÁ”. “Essa indefinição pode provocar mais uma crise que vai impactar a vida dos brasileiros, adiando ainda mais a recuperação econômica provocada pela pandemia”, afirmou. Líderes da oposição qualificaram de pedalada a intenção de usar o dinheiro reservado para precatórios. “O que o governo está fazendo é anunciando que não vai mais pagar em dia suas dívidas judiciais, fazendo uma enorme pedalada fiscal, de cerca de R$ 20 a R$ 30 bilhões por ano”, escreveu o líder do PSB na Câmara, Alessandro Molon (RJ). Para ele, isso criará uma “bola de neve fiscal”. Molon também criticou a decisão de retirar dinheiro do Fundeb para financiar o Renda Cidadã. Segundo o deputado, o ideal seria “buscar recursos para uma renda básica na reforma tributária, que precisa fazer os super-ricos pagarem imposto no Brasil, o que não ocorre”. O governo previa enviar nesta segunda (28) uma nova fase de sua proposta, mas adiou a entrega do texto por falta de consenso com o Congresso. A deputada Sâmia Bomfim (SP), líder do PSOL na Câmara, qualificou de grave a proposta de financiar o Renda Cidadã com recursos do Fundeb e afirmou que o uso de dinheiro para precatórios é “a confissão de que se quer fazer uma pedalada”. A líder do PCdoB na Câmara, deputada Perpétua Almeida (AC), considerou a busca por recursos do Fundeb como “um calote na educação básica, diminuindo os repasses para estados e municípios”. “É drible e é calote. Porque ele quer mexer, reduzindo um recurso para estados e municípios que já está na Constituição para educação básica”, disse. No TCU, o ministro Bruno Dantas também se manifestou contra a proposta em uma rede social. Na avaliação dele, tentar mudar o teto de gastos com a PEC (proposta de emenda à Constituição) emergencial é juridicamente possível, mas o “problema é o significado político para o compromisso com gestão fiscal responsável”. “Emenda constitucional pode tirar dinheiro do Fundeb para mascarar mudança do teto? Pode, mas por que tergiversar?", escreveu. Dantas afirma que a despesa com o Fundeb está fora do teto de gastos. "Inflar o Fundeb para, em seguida, dele tirar 5% para financiar outro programa, é rigorosamente o mesmo que inserir mais uma exceção no parágrafo 6º do art. 107. Por que não fazê-lo às claras?", indagou. Ele também criticou a utilização de recursos de precatórios, afirmando que a medida "parece truque para esconder a fuga do teto de gastos". "Reduz a despesa primária de forma artificial porque a dívida não desaparece, apenas é rolada para o ano seguinte. Em vez do teto estimular economia de dinheiro, estimulou a criatividade", disse o ministro do TCU. No Senado, até aliados do governo se manifestaram contrários. O líder do PL na Casa, Jorge Mello (PR), afirmou que a ideia do governo em relação ao Renda Cidadã é importante, mas a fonte de recurso ainda não existe."O governo precisa encontrar a fonte de recurso. Por enquanto, ainda não tem" O líder da Rede no Senado, Randolfe Rodrigues (AP), disse que o anúncio do governo significa um sacrifício ao futuro do país. "Num momento em que o MEC lavou as mãos e deixa 50 milhões de brasileirinhos sem educação básica, o governo quer tesourar recursos da educação para bancar o Renda Brasil [Cidadã]. Isso é mais que tirar dos pobres para dar aos paupérrimos. É sacrificar o futuro do país a troco de populismo barato", escreveu em uma rede social. Líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP) afirmou que o governo pode até tentar, mas não conseguirá apoio para que a proposta avance no Congresso.