Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.704,08
    -1.656,21 (-2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

TCU avalia barrar venda de refinaria da Petrobras para fundo árabe

JULIO WIZIACK
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) Walton Alencar deu uma semana para que técnicos do tribunal avaliem a necessidade de suspender a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam) pela Petrobrás ao Mubadala, fundo bilionário dos Emirados Árabes Unidos. No centro dessa discussão está o preço da refinaria. Pelo acordo, o fundo pagará US$ 1,65 bilhão. No entanto, avaliações independentes consideram que a unidade não poderia ser vendida por menos de US$ 3 bilhões. Demitido da presidência da Petrobras por divergências com Jair Bolsonaro, Roberto Castello Branco explicou aos funcionários em uma carta de despedida que o negócio não foi feito às pressas, nem estava subavaliado. No passado, na gestão do ex-presidente Lula, o presidente da Petrobras se complicou com o TCU pela refinaria de Pasadena, nos EUA, adquirida por preços considerados muito acima da realidade de mercado. À época, a ex-presidente Dilma Rousseff era presidente do conselho de administração da petroleira. O negócio com a Rlam, como é conhecida a refinaria no mercado, foi anunciado há cerca de uma semana. O caso chegou ao TCU com uma representação do procurador Lucas Furtado que atua pelo Ministério Público de Contas junto à corte e foi distribuído ao ministro Walton Alencar. Furtado pediu a suspensão imediata da venda por medida cautelar. O plenário, no entanto, discordou durante sessão na quarta-feira (31) e determinou uma avaliação técnica para tomar uma decisão na próxima reunião, provavelmente. Em seu voto, Alencar decidiu dar andamento a uma análise mais detalhada do caso com o objetivo de evitar "prejuízo ao interesse público". A Petrobras foi questionada pelo TCU e enviou, em resposta, suas explicações. Esse documento foi repassado à área técnica. O valor acertado com o Mubadala vem sendo questionado pelo mercado. O Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) afirma que a refinaria vale US$ 3 bilhões. Analistas de bancos de investimentos fazem cálculos similares, variando entre 30% e 40% acima do valor aceito pela Petrobras. Procurados, a Petrobras e o fundo Mubadala não responderam até a publicação desta reportagem.