Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.702,43
    +536,38 (+1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Táxis voadores estão se aproximando da decolagem

·4 min de leitura
Startups em todo o mundo estão na fase final de desenvolvimento e refinamento da tecnologia por trás do que a indústria chama de eVTOLs, ou aeronaves elétricas de decolagem e pouso vertical. (ANTHONY WALLACE/AFP via Getty Images) (AFP via Getty Images)
  • Táxis voadores estão virando realidade no mundo; União Europeia espera popularização dos modelos

  • Companhias aéreas estão comprando modelos eVTOLs e preparando mudanças

  • Empresas enxergam oportunidade para novas formas de transporte aéreo nas grandes cidades

Startups em todo o mundo estão na fase final de desenvolvimento e refinamento da tecnologia por trás do que a indústria chama de eVTOLs, ou aeronaves elétricas de decolagem e pouso vertical. Esses táxis voadores são movidos a bateria e, dizem as empresas, destinados a voar sem piloto – assim que os regulamentos permitirem. Bilhões de dólares fluíram para o setor em 2021, bem como um número impressionante de pedidos, principalmente de companhias aéreas comerciais. Os próximos 18 meses serão cruciais para a indústria incipiente, pois os fabricantes realizam voos de teste vitais e finalizam os planos para os chamados vertiports e os reguladores consideram a melhor forma de garantir a segurança.

Leia mais

Em nenhum lugar a perspectiva do táxi aéreo elétrico foi tão avidamente recebida quanto nas salas de reuniões das companhias aéreas. Mesmo enquanto a indústria de viagens luta para sobreviver à crise do coronavírus, as principais operadoras do mundo estão adotando a promessa dos eVTOLs, fazendo pedidos provisórios para mais de 1.500 aeronaves nos últimos dois anos.

A Vertical Aerospace tem acordos com American Airlines, Japan Airlines e Virgin Atlantic para introduzir serviços até 2025. A Archer Aviation está com um pedido gigantesco da United Airlines Inc. Esses e outros fabricantes passarão o próximo ano e meio executando voos de teste e buscando aprovação regulatória para que possam transformar pedidos provisórios em vendas concluídas.

Táxis voadores serão o futuro do transporte em grandes cidades.  (VCG/VCG via Getty Images)
Táxis voadores serão o futuro do transporte em grandes cidades (VCG/VCG via Getty Images)

Passageiros ricos são o foco das companhias

As transportadoras veem a embarcação como o meio ideal para transportar viajantes ricos e passageiros corporativos de e para o aeroporto, afrouxando a aderência do carro, trem e táxi nas desembarques e melhorando a experiência do cliente. “É tudo sobre os primeiros e últimos 160 quilômetros”, diz Shai Weiss, CEO da Virgin Atlantic Airways Ltd. “Você pode passar horas em viagens relativamente curtas de transporte público ou ficar em um engarrafamento. Os EVTOLs podem fazer a viagem em 30 minutos, e as pessoas pagarão um prêmio por isso.”

Embora a Virgin ainda não tenha decidido sobre uma estrutura de preços, Weiss diz que a pesquisa inicial sugere que os viajantes podem estar dispostos a gastar o dobro de seu orçamento normal para deslocamentos de aeroportos se souberem que a viagem será curta e confortável e que eles chegarão a tempo. Mesmo com o dobro do custo de um táxi, os eVTOLs ainda seriam mais baratos que os helicópteros – além de muito mais silenciosos e livres de emissões de carbono.

A Virgin Atlantic tem opções para comprar até 150 aeronaves VX4 da Vertical Aerospace, projetadas para transportar quatro passageiros e um piloto por mais de 100 milhas a velocidades próximas a 200 mph. A startup deve fazer seu primeiro voo este ano.

Weiss diz que o conceito é especialmente adequado para a Virgin, que atrai a maioria de seus passageiros de áreas relativamente pequenas ao redor de Londres e Manchester, dentro do alcance do VX4.

Os voos da EVTOL também melhorariam a imagem de alto nível e tecnologia da controladora Virgin Group, exemplificada pela tentativa do bilionário fundador Richard Branson de estabelecer um negócio de turismo espacial por meio de seu empreendimento Virgin Galactic. A embarcação VX4 pode pousar em aeroportos, com as formalidades de viagem concluídas mais cedo, reduzindo ainda mais os tempos de viagem e aumentando a experiência premium.

Gol fez investimento alto no novo mercado

Outras companhias aéreas encomendaram táxis voadores para atender a necessidades específicas. A Gol Linhas Aéreas concordou em setembro em comprar ou alugar até 250 VX4s da empresa de leasing Avolon Holdings, que atua como intermediária entre a Vertical e vários de seus clientes. O acordo pode ajudar a transformar as viagens em São Paulo, que se tornou a cidade mais movimentada do mundo para voos de helicóptero porque os congestionamentos de trânsito normalmente bloqueiam centenas de quilômetros de estradas.

O acordo da Japan Airlines Co. para 100 VX4s está ligado aos planos de servir a Expo Mundial de 2025, disse a transportadora. Também há planos para operar táxis voadores em Tóquio para explorar a maior concentração de helipontos do mundo. Os locais de pouso, que foram construídos como parte dos preparativos de evacuação do terremoto da cidade, foram subutilizados devido às restrições locais aos voos de helicóptero.

As frotas de embarcações totalmente elétricas e com zero carbono também servirão para aprimorar as credenciais verdes das transportadoras, à medida que lutam para acompanhar as reduções de emissões em setores onde as leis da física representam menos obstáculos. “As companhias aéreas sabem que precisam mudar para zero líquido, e a eletrificação desses saltos curtos é um passo nessa direção”, diz Andrew Macmillan, diretor de infraestrutura da Vertical Aerospace.

Um estudo de 160 páginas publicado pela Agência de Segurança da Aviação da União Europeia em maio sugeriu que os eVTOLs podem se tornar uma realidade já em 2024. Ele descobriu que, embora as pessoas geralmente sejam positivas sobre eles, elas têm algumas preocupações principalmente em relação à segurança, mas também ao ruído, o impacto na vida selvagem e se a embarcação pode representar um risco à segurança.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos