Mercado fechará em 5 h 55 min
  • BOVESPA

    98.288,08
    -1.333,50 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.493,47
    -568,14 (-1,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,76
    -2,02 (-1,84%)
     
  • OURO

    1.820,00
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    18.879,29
    -1.207,15 (-6,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,86
    -27,61 (-6,40%)
     
  • S&P500

    3.741,28
    -77,55 (-2,03%)
     
  • DOW JONES

    30.450,59
    -578,72 (-1,87%)
     
  • FTSE

    7.132,94
    -179,38 (-2,45%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.412,00
    -279,00 (-2,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4682
    +0,0576 (+1,06%)
     

Taxas de juros precisam subir, mas BCE lutará contra fragmentação

Sede do BCE em Frankfurt

PARIS/FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu precisa tomar medidas "firmes" para controlar a inflação, mas também está totalmente determinado a conter qualquer aumento indevido nos custos de empréstimos na periferia da zona do euro, disseram autoridades nesta sexta-feira.

O BCE sinalizou na quinta-feira um aumento de 0,25 ponto percentual nos juros em julho e disse que um aumento maior pode ser necessário em setembro, uma vez que as pressões inflacionárias estão crescendo e se ampliando, elevando o risco de que o alto crescimento dos preços se torne arraigado.

"As taxas de inflação da área do euro não cairão sozinhas", disse o presidente do banco central alemão, Joachim Nagel, em comunicado. "A política monetária é necessária para reduzir a inflação por meio de uma ação firme."

Embora o BCE tenha elevado na quinta-feira sua projeção de inflação para 2022 para 6,8%, mais de três vezes sua meta de 2%, disse que o número teria sido ainda maior, em 7,1%, se também incluísse dados divulgados após a data limite para o levantamento.

"A inflação este ano será ainda mais forte do que no início da década de 1980", disse Nagel, referindo-se ao último período de crescimento de preços dolorosamente alto.

Os aumentos das taxas, no entanto, elevam o risco de que uma grande lacuna se abra entre os custos de empréstimos de diferentes membros da zona do euro, particularmente a Alemanha e os países mais endividados do sul, como Itália, Espanha e Grécia.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, prometeu combater a fragmentação "injustificada" desse tipo e afirmou que o BCE poderia até implantar uma nova ferramenta, se necessário, mas não deu detalhes.

(Reportagem de Dominique Vidalon e Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos