Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,02
    +0,14 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.868,80
    +2,90 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    40.369,98
    +1.429,96 (+3,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,43
    +33,59 (+3,47%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.119,00
    -5,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1456
    +0,0141 (+0,23%)
     

Taxas de juros de empréstimos voltam a subir

·1 minuto de leitura
A taxa de juros média geral para pessoa física teve um aumento de 0,08 ponto percentual em maio
A taxa de juros média geral para pessoa física teve um aumento de 0,08 ponto percentual em maio

Uma pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) mostrou que os bancos voltaram a aumentar as taxas de juros de empréstimos em maio.

A taxa de juros média geral para pessoa física teve um aumento de 0,08 ponto percentual em maio, o que corresponde a um aumento de 1,38% no mês (1,85% em doze meses). Trata-se da maior taxa de juros média desde dezembro de 2019.

Leia também:

Se considerar todas as elevações e reduções da taxa básica de juros (Selic) desde março de 2012, houve uma redução de 3,75 pontos percentuais. Nesse mesmo período, a taxa média dos juros para pessoa física teve aumento de 10,53 pontos percentuais.

Em entrevista ao portal Exame Invest, o diretor executivo de estudos e pesquisas da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, afirma que “os motivos dessas elevações podem ser o aumento dos juros futuros, a expectativa de novas elevações da taxa básica de juros frente a uma inflação maior, a provável elevação dos índices de inadimplência e ainda o anúncio das elevações dos impostos das instituições financeiras (CSLL) em 2021”.