Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.767,36
    +1.999,83 (+5,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Taxa de ocupação dos leitos de UTI no Brasil é a melhor desde fevereiro

·1 minuto de leitura

Nesta quinta (24), um novo levantamento da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontou que a situação das taxas de ocupação dos leitos de UTI destinados para pacientes com COVID-19 na rede pública do Brasil é a melhor desde o último mês de fevereiro.

No entanto, ainda há motivos para preocupação. Isso porque 14 estados e o Distrito Federal ainda estão com taxas de ocupação iguais ou superiores a 80%, e oito estão com percentual entre 80% e 60%. Além disso, Margareth Portela, pesquisadora do Observatório COVID-19 da Fiocruz, apontou a possibilidade da situação piorar dentro de uma a duas semanas por causa do aumento de incidência de casos da doença.

(Imagem: Adhy Savala/Unsplash)
(Imagem: Adhy Savala/Unsplash)

“Os indicadores epidemiológicos que também monitoramos no Observatório estão indicando crescimento de casos e óbitos, além de taxas preocupantes de SRAG. A situação dos leitos ainda é crítica. Não dá para dizer que estamos verdadeiramente em um cenário melhor, foi uma mudança de péssimo para ruim. Provavelmente estamos um pouco melhores do que o caos de março e abril, mas quando chegamos a esse nível, os resultados terminam sendo muito piores também pelo comprometimento do acesso dos pacientes aos cuidados necessários”, dissertou a pesquisadora.

O levantamento também identificou uma melhora nos índices de hospitalização de idosos, algo que pode se aplicar ao calendário de vacinação. Em contrapartida, os pesquisadores notaram crescimento de internação de pacientes mais jovens.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos