Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.521,23
    +1.821,80 (+3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Taxa de juros do rotativo sobe pelo quarto mês seguido em janeiro e atinge 329% ao ano

Gabriel Shinohara
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — A taxa de juros média do cartão de crédito rotativo (quando o cliente não paga o valor integral da fatura até a data de vencimento) registrou a quarta alta mensal seguida em janeiro e atingiu o patamar de 329,3% ao ano. Os números foram divulgados nesta quinta-feira pelo Banco Central (BC).

A modalidade é a mais cara disponível no mercado e o seu uso é recomendado apenas para emergências. Os juros do rotativo haviam caído durante a pandemia, mas voltaram a subir em outubro do ano passado junto com a retomada da economia. Em 12 meses, a alta é de 12,8 pontos percentuais.

Já o cheque especial, que continua sendo uma das modalidades mais caras do sistema financeiro, está controlado consideravelmente abaixo do teto de 8% ao mês (151,8% ao ano) imposto pelo BC no início de 2020. Em janeiro, o registro foi de 119,6% ao ano.

Desde que o limite dos juros foi colocado, as taxas vêm variando entre 110% e 120% mensalmente. Antes disso, ela chegava a bater nos 300% ao ano.