Mercado abrirá em 4 h 5 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,60
    +0,14 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.765,50
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    61.471,39
    -1.520,99 (-2,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.369,61
    -11,34 (-0,82%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.014,86
    +31,36 (+0,45%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    13.975,00
    -39,00 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7152
    -0,0059 (-0,09%)
     

Taxa de desocupação registra 14,2% no trimestre de novembro a janeiro

Mário Toledo - Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

A taxa de desocupação no país, entre novembro de 2020 e janeiro deste ano, ficou em 14,2%. O dado faz parte da Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua), divulgada hoje (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de desocupação é o percentual de pessoas da força de trabalho que estão desempregadas. Segundo o estudo trimestral, a população desocupada no período chegou a 14,3 milhões de pessoas.

Desde que a Pnad Contínua foi criada, em 2012, a taxa só fica atrás dos 14,3% registrados entre agosto e outubro do ano passado.

A população ocupada registrou um aumento de 2%, somando 86 milhões de pessoas, 1,7 milhão a mais que no trimestre anterior.

Já a população desalentada, aquela que desistiu de procurar emprego, somou 5,9 milhões de pessoas, e ficou praticamente estável em comparação ao período anterior. Entretanto, ficou 25,6% acima do mesmo período do ano anterior.

Os números da Pnad Contínua também mostram uma estabilidade na comparação do número de trabalhadores com carteira assinada deste trimestre com o anterior: 29,8 milhões de pessoas. O número exclui os empregados domésticos, que somaram 4,9 milhões no período, um crescimento 4,5% em relação ao trimestre anterior.

Segundo o estudo do IBGE, 34,1 milhões de trabalhadores estão na informalidade, significando 39,7% da população ocupada. No trimestre anterior, esse percentual somava 38,8%.

A renda dos brasileiros caiu 2,9% no último trimestre calculado pela Pnad Contínua, registrando RS$ 2.521.

Ouça na Radioagência Nacional: