Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.287,47
    +784,86 (+1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Taxa de desemprego nos EUA cai para 6% em março

·1 minuto de leitura
Esta foto de arquivo de 4 de agosto de 2020 mostra um banner que diz que o restaurante está "contratando" novos funcionários, em Arlington, Virgínia, em 4 de agosto de 2020.

A economia dos Estados Unidos recuperou 916.000 empregos em março, o maior aumento desde agosto, provocando uma queda da taxa de desemprego para 6,0% - 0,2 ponto percentual a menos do que em fevereiro -, informou o Departamento do Trabalho nesta sexta-feira (2).

No entanto, mesmo com a economia começando a se recuperar das paralisações causadas pela emergência da covid-19, ainda existem 8,4 milhões de empregos a menos do que antes da pandemia, disse o governo.

"O crescimento do emprego foi generalizado em março, com ganhos no setor de lazer e hotelaria, educação pública e privada e construção", declarou o escritório de estatísticas em um comunicado.

Esses números superam as expectativas dos analistas e refletem que a recuperação com a campanha de vacinação e a melhora nas perspectivas tem sido mais generalizada do que o inicialmente projetado.

O desemprego é um sinal vital sobre o estado da economia e o dinamismo da recuperação, e o presidente dos EUA, Joe Biden, deve discursar nesta sexta-feira sobre os números.

De acordo com o governo, "essa melhora no mercado de trabalho reflete a continuidade da retomada da atividade econômica que havia sido restringida pela pandemia".

Em relação às cicatrizes deixadas pela crise, as estatísticas mostram que o número de desempregados de longa duração - sem emprego há mais de 27 semanas - ficou em 4,2 milhões, quase inalterado em relação ao mês passado.

Desde fevereiro de 2020, antes do início da crise sanitária e quando o desemprego era de 3,5%, esse grupo somava 3,1 milhões de pessoas a menos.

hs/dw/rsr/mps/mr