Mercado fechado

Taurus e Jindal prorrogam avaliação sobre possível joint venture

Juliano Passaro
Taurus e Jindal prorrogam avaliação sobre possível joint venture

A Taurus Armas comunicou nesta segunda-feira (25) que prorrogou por seis meses o memorando de entendimento que visa avaliar uma possibilidade de constituição de uma joint-venture na Índia. A fabricante de armamento avalia uma parceria com a Jindal Group, que é a maior fabricante de aço da Índia.

Além de ser a maior em seu ramo na Índia, a Jindal está entre as dez maiores do mundo. O faturamento da empresa indiana ultrapassa os US$ 24 bilhões, com lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de US$ 5 bilhões e 200 mil funcionários no mundo inteiro. De acordo com a Taurus, essa prorrogação é importante pois mostra um "importante avanço nas negociações já que ambas empresas concordaram com a divulgação das partes envolvidas neste acordo”.

Black Friday Suno - pague 2 anos e leve 3 nas principais assinaturas da Suno Research

“A continuidade nas negociações para celebração desse acordo é mais um passo importante na estratégia global da Taurus no processo de restruturação baseado em rentabilidade sustentável, qualidade e melhora dos indicadores financeiros e operacionais, além do forte investimento no desenvolvimento de novos produtos e tecnologias”, informa a empresa em seu comunicado.

Resultado trimestral da Taurus

A Taurus informou na segunda semana de novembro o seu resultado trimestral ao mercado. O prejuízo líquido da empresa foi de R$ 26,4 milhões.

Esse resultado demonstra que a Taurus Armas reverteu o lucro líquido de R$ 48 milhões registrado no mesmo período no ano passado. A fabricante de armas listou os fatores que a fizeram registrar prejuízo:

  1. aumento das despesas financeiras líquidas em decorrência da variação positiva da moeda norte-americana em relação ao Real
  2. menor lucratividade da operação em função das condições do mercado local e promoções realizadas
  3. aumento das despesas operacionais, com registro de despesas extraordinárias.

A receita operacional líquida foi de R$ 192,3 milhões para R$ 242,3 milhões, um crescimento de 26% no trimestre. No acumulado do ano até setembro o aumento foi de 16,7%, alcançando R$ 727,4 milhões.

O Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da Taurus teve queda de 18,2% e atingiu R$ 192,3 milhões.