Mercado abrirá em 57 mins
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,96
    +0,35 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.843,90
    -7,00 (-0,38%)
     
  • BTC-USD

    31.428,76
    -471,26 (-1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    628,25
    -11,67 (-1,82%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.628,93
    -25,08 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.531,00
    +45,50 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4942
    -0,0166 (-0,25%)
     

Taurus é proibida de fornecer armas para São Paulo por dois anos

JÚLIA MOURA
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Taurus não poderá participar de licitações e contratações de órgãos públicos do estado de São Paulo por dois anos como penalidade após constatação de falhas no funcionamento de pistolas da Taurus vendidas ao estado de 2007 a 2011. Além da suspensão, a empresa deve pagar uma multa de quase R$ 12,7 milhões, que corresponde a 20% no valor do armamento que apresentou problemas. As ações da companhia acumularam queda de 1,9% nos pregões de segunda (27) e terça (28), quando terminaram cotadas a R$ 5,59. O processo corre desde 2016, com constantes recursos da fabricante, que alega que as provas do processo são arbitrárias "como uma pretensa perícia técnica comprovadamente nula" e que a garantia do armamento foi cumprida quando necessário. A Taurus também argumenta que "não há qualquer evidência de que a revisão preventiva da quase totalidade das pistolas feita pela Taurus entre os anos de 2013 e 2015 não tenha sido útil e eficaz em garantir o adequado funcionamento dos mecanismos de segurança dos armamentos". Após novo recurso da Taurus, a Consultoria Jurídica da Polícia Militar paulista manteve a pena. A decisão, publicada na edição do Diário Oficial do Estado de São Paulo de sábado (25), destaca relatório do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), que apontou falha entre 86,9% e 95,3% do total de pistolas modelo 640 e entre 41,6% e 55,8% do total de pistolas do modelo 24/7, com índice de confiabilidade nos testes de 95%. Segundo a companhia, "a leitura correta do relatório do IPT indica que as pistolas são dotadas de sistema de segurança que funciona de modo adequado" e verificação conduzida pelo Exército em 2016 "não verificou ou identificou a ocorrência de vícios de projeto ou fabricação sobre o modelo de pistola 24/7 produzido pela Taurus". Em comunicado ao mercado nesta terça (28), a Taurus afirma que as pistolas referidas no processo não são mais fabricadas ou comercializadas e que "tomará todas as medidas judiciais cabíveis para reversão da penalidade aplicada". A empresa ainda destaca que mudou de controle acionário em 2015, com a compra pela CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos), e, desde então, "seus administradores vem seguindo os mais rígidos e estritos padrões de controle e qualidade dos seus produtos". Também por falhas em pistolas fornecidas à Polícia Militar local, a Taurus está suspensa de licitar no Distrito Federal por um ano, até maio de 2021. Procurada, a Polícia Militar de São Paulo não quis comentar.