Mercado abrirá em 7 h 47 min

Tartaruga de duas cabeças completa 25 anos e até hoje intriga a ciência

Nesta semana, uma tartaruga de duas cabeças chamada Janus completa 25 anos. O animal, que não conseguiria viver na natureza por causa de sua falta de habilidade em esconder as cabeças no casco, vive no Museu de História Natural de Genebra (Suíça).

Pode parecer loucura, mas é possível uma tartaruga ter duas cabeças, sim! Existem algumas questões delicadas, como o fato de que suas cabeças precisam de tratamento periódico com vaselina para evitar que fiquem doloridas quando se esfregam.

O curioso é que o réptil tem dois corações, dois pares de pulmões e até duas personalidades distintas. A anatomia atípica de Janus é o resultado de uma mutação genética – postfalia. Na maioria das vezes está associado à divisão anormal do embrião e à fusão de dois gêmeos idênticos. É relativamente comum em répteis que produzem mais descendentes do que mamíferos. Veja o animal:

Para se ter noção, as duas personalidades geram diferentes humores e preferências que podem levar a um conflito de tempos em tempos, como por exemplo, qual direção seguir. Ambas têm até hábitos alimentares diferentes: um prefere endívia, um vegetal folhoso semelhante à alface, e o outro só se alimenta de cenouras.

O grupo responsável pelos cuidados da tartaruga bicéfala afirma que a cabeça da direita é mais curiosa, mais desperta, tem uma personalidade muito mais forte. A cabeça da esquerda é mais passiva e adora comer.

Os especialistas do museu monitoram a saúde de Janus continuamente, principalmente em caso de queda, pois isso pode ser fatal para o animal. Os cuidados também não são poucos: Janus é massageado diariamente e banhado em chá verde e camomila, além de fazer caminhadas regulares e até mesmo andar de skate feito sob medida.

Tartaruga de duas cabeças

Por enquanto, Janus é a tartaruga de duas cabeças a viver mais tempo, mas no ano passado surgiu uma nova: além de dois crânios, o animal também conta com seis patas e dois tratos gastrointestinais bastante distintos, ainda que eles compartilhem, de forma parcial, uma única coluna vertebral.

Além da tartaruga de duas cabeças, no início do ano, uma raríssima cobra de duas cabeças foi encontrada na natureza e resgatada. Nessa condição, uma das causas pode ser a divisão incompleta do embrião, por exemplo, ou a fusão de dois embriões que não chega ao final.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: