Mercado abrirá em 2 h 21 min
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,28
    +0,43 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.783,50
    +6,10 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    34.016,28
    +2.401,55 (+7,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    813,96
    +19,63 (+2,47%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.116,93
    +26,92 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.278,50
    +20,25 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9546
    +0,0348 (+0,59%)
     

Tartaruga centenária prova que espécie não está extinta

·2 minuto de leitura
Tartaruga centenária prova que espécie não está extinta
Tartaruga centenária prova que espécie não está extinta

Imagine ficar sozinha por quase um século? Essa vida de isolamento foi a rotina de Fernanda, uma tartaruga de Galápagos, no Equador. Encontrada há dois anos, a réptil mostrou que sua espécie não estava extinta há 100 anos. Agora, porém, Fernanda é o único exemplar vivo de Chelonoidis phantasticus.

Apesar de ter sido encontrada em 2019, apenas em maio de 2021 um teste mostrou que o DNA de Fernanda é dessa espécie de tartaruga. O último macho de Chelonoidis phantasticus foi registrado em 1906, pela Academia de Ciências da Califórnia.

Leia mais:

Mas, como Fernanda, outras tartarugas dessa espécie podem viver como ela. O animal viveu todos esses anos de isolamento em um curral natural formado por lava, na Ilha Fernandina de Galápagos. O local é um dos mais inóspitos e inacessíveis do arquipélago, por causa da atividade vulcânica.

Normalmente, tartarugas Chelonoidis phantasticus podem ter até 1,5 metro de casco. Mas, como Fernanda estava em um espaço de apenas um quilômetro quadrado em uma ilha de floresta seca, ela ficou atrofiada, medindo apenas 54 centímetros.

“É muito provável que ela tenha tido pouco acesso a alimentos e água durante todos esses anos”, explicou Danny Rueda, diretor do Parque Nacional de Galápagos, em entrevista ao jornal El País.

Fernanda morou sozinha na Ilha Fernandina de Galápagos por quase um século. Imagem: Parque Nacional de Galápagos
Fernanda morou sozinha na Ilha Fernandina de Galápagos por quase um século. Imagem: Parque Nacional de Galápagos

Fernanda é a esperança do Parque Nacional de Galápagos. A instituição deseja encontrar outras tartarugas gigantes da espécie para repovoar a única ilha do arquipélago que não tem uma variedade própria dos animais. Segundo Rueda, o ideal é encontrar mais uma fêmea e um macho.

“Porque, se só encontrarmos um macho, os descendentes poderiam ter problemas genéticos por ser um cruzamento entre irmãos”, acrescentou o diretor.

O arquipélago de Galápagos abriga 14 espécies oficias de tartarugas, com uma família por ilha, exceto em Fernandina, justamente onde Fernanda foi encontrada. Em outubro, o Parque Nacional de Galápagos e a ONG Galapagos Conservancy vão voltar ao local para buscar mais parentes do animal.

Via: El País

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos