Mercado fechado

Tarifas de energia da Enel SP vão subir em média 4,23%

Rafael Bitencourt

As novas tarifas serão aplicadas à energia consumida a partir do próximo sábado (4) por 7 milhões de clientes de 24 municípios da região metropolitana de São Paulo A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje o aumento médio de 4,23% das tarifas da distribuidora Enel SP (ex-Eletropaulo), no âmbito do processo de reajuste tarifário anual da companhia. As novas tarifas serão aplicadas à energia consumida a partir do próximo sábado (4) por 7 milhões de clientes de 24 municípios da região metropolitana — a área de concessão abrange população estimada em 18 milhões de habitantes.

A distribuidora também aderiu ao uso de recursos da “Conta Covid”, mecanismo criado para injetar liquidez no setor e conter aumento extraordinário na conta de luz durante a pandemia. Os recursos chegarão por meio de operação de crédito preparada pelo BNDES com a participação de bancos públicos e privados. A Enel SP usará R$ 1,292 bilhão de um montante total de R$ 16,1 bilhões.

No reajuste tarifário de 2020, a Enel SP foi aplicará o aumento de 6,0% nas tarifas dos consumidores industriais (alta tensão) e 3,58% nas contas de luz da classe residencial e de pequenos estabelecimentos comerciais (baixa tensão).

A relatora do processo de atualização das tarifas, diretora Elisa Bastos, informou que, sem o financiamento da Conta Covid, a Enel SP aplicaria o índice médio de 12,22%, sendo 13,74% para a classe de consumo de alta tensão e 11,67% para a baixa tensão.

“Conseguimos aliviar grande parte do aumento tarifário para esses consumidores. Esse resultado é muito importante nesse momento que é tão crítico para a população que vem sofrendo com os efeitos do isolamento social e da retração da atividade econômica”, afirmou Elisa.

Energia, luz, lâmpada

Tristan Stephenson/Pixabay