Mercado fechará em 6 h 29 min
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,19
    -2,09 (-2,74%)
     
  • OURO

    1.758,00
    +4,00 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    16.239,10
    -311,63 (-1,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,49
    -2,16 (-0,56%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.463,13
    -23,54 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.705,75
    -77,00 (-0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6331
    +0,0087 (+0,15%)
     

Tarifa de energia aumentou 219% acima da inflação entre 1997 e 2022

Reajustes de energia elétrica superaram a inflação em 219% entre 1995 e 2022
Reajustes de energia elétrica superaram a inflação em 219% entre 1995 e 2022
  • Reajustes foram feitos sob supervisão da agência regulatória do setor de energia elétrica, Aneel;

  • Levantamento foi realizado pelo Instituto Ilumina, ong que analisa o mercado energético;

  • Por exemplo, Light tinha uma tarifa de R$ 39,65/MWh em 1997. Hoje é de R$ 1.115, 59/MWh.

Em uma nova pesquisa do Instituto Ilumina, organização não governamental de análise do setor elétrico brasileiro, foi revelado que o preço médio da tarifa energética brasileira subiu 219% acima da inflação entre 1997 e 2022.

As informações, que foram relevadas no blog do Ancelmo Gois neste domingo, foram obtidas através de dados da própria Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). De acordo com o diretor do Instituto Ilumina, Roberto D'Araújo, houve uma grande dificuldade em acessar essas informações.

Os dados, que deveriam ser abertos e de fácil compreensão do público, estão divididos em tabelas e "planilhas confusas e incompletas", afirmou D'Araujo. "O valor atual espanta!".

Como exemplo, a Light, responsável pela distribuição de energia elétrica no Rio de Janeiro e sua região metropolitana, tinha uma tarifa de R$ 39,65/MWh em 1997, com o ICMS já incluso. Se esse valor fosse corrigido pela inflação do período, em julho de 2022 o preço da energia deveria ser de R$ 349,90/MWh. Só que o preço cobrado pela empresa é de R$ 1.115, 59/MWh, quase o triplo do valor corrigido apenas pela inflação.

Os reajustes das distribuidoras de energia são calculados em conjunto com a Aneel, e tem como base os aumentos nos custos de operação, seja pelo processo inflacionário ou por alterações estruturais, como períodos de seca nos reservatórios e a contratação de energias mais caras, como as termelétricas. "Desde a adoção do modelo mercantil as tarifas de energia elétrica só se elevaram", afirmou o Instituto Ilumina em sua conta no Twitter.