Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,14
    +0,18 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.768,50
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    64.216,30
    +2.018,16 (+3,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.488,54
    +25,18 (+1,72%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    15.404,25
    +5,75 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5068
    +0,0106 (+0,16%)
     

Tarcísio quer privatizar Congonhas e Santos Dumont antes de deixar cargo para disputar eleição

·4 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 02.09.2021 - O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento de autorizações ferroviárias, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 02.09.2021 - O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento de autorizações ferroviárias, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, quer antecipar para março o leilão da última rodada de aeroportos —que inclui Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ), os mais valiosos— porque terá de deixar o cargo em abril para disputar o governo de São Paulo a pedido do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Tarcísio terá de deixar o cargo por uma exigência legal que impõe o afastamento de ministros até 2 de abril, segundo o ministério.

O ministro pressionou a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) para aprovar, nesta terça-feira (21), as regras do edital, que ficará disponível por 45 dias em consulta pública.

Tarcísio também cobrou a área técnica do ministério para que antecipe seu trabalho em pelo menos um mês a partir de meados de janeiro, quando prevê a devolução do edital pelo TCU (Tribunal de Contas da União) com recomendações de mudanças.

Os técnicos disseram ao ministro que precisariam de até cem dias após a publicação do edital, mas o ministro pediu que o leilão fosse marcado em até 70 dias —ou seja, o certame ficaria para o final de março em vez de junho, como previsto anteriormente.

Tarcísio quer antecipar o leilão para evitar que sua saída do cargo prejudique o leilão dos 16 aeroportos, o que concluirá a privatização da Infraero —um processo iniciado no governo do ex-presidente Lula.

Pessoas que acompanham o ministro afirmam que ele está preocupado com a contaminação política desses projetos.

Desde as manifestações de cunho golpista no 7 de setembro estimuladas por Bolsonaro, Tarcísio vem se explicando com investidores que estavam interessados em disputar as concessões. O próprio ministro participou das manifestações em São Paulo ao lado de Bolsonaro.

Nas conversas, os estrangeiros, especialmente os que ainda não conhecem o país onde pretendem fazer investimentos, ficam preocupados não só com a troca do governo, mas também com a mudança nos rumos dos projetos de infraestrutura.

Por isso, Tarcísio passou a pressionar ao máximo sua equipe para que ao menos o leilão desses aeroportos seja realizado com sucesso. Se isso ocorrer, o ministro terá ainda mais o que apresentar durante a campanha.

No Planalto, Tarcísio é visto como um garoto-propaganda do governo por sempre entregar “boas notícias” ao presidente. Bolsonaro quer que ele dispute o governo de São Paulo como forma de ter uma plataforma política no estado para fazer frente a João Doria (PSDB-SP).

Tarcísio pretendia disputar uma vaga ao Senado pelo estado de Goiás ou Mato Grosso, mas não conseguiu se desvencilhar do pedido de Bolsonaro.

O leilão da última rodada de aeroportos da Infraero vai contar com 16 aeroportos agrupados em três blocos (RJ-MG; Norte II; e SP-MS-PA).

No total, os investimentos previstos são de R$ 8,5 bilhões ao longo dos 30 anos da concessão e o vencedor terá de arcar ainda com quase R$ 1,9 bilhão para quitar despesas trabalhistas de servidores da Infraero que aderirem ao PDV (Plano de Demissão Voluntária) dos blocos RJ-MG e SP-MS-PA. O Ministério de Infraestrutura estima que a concessão deverá gerar 130 mil empregos diretos e indiretos.

Pelas regras, os vencedores terão de pagar uma outorga inicial e outra variável ao longo da concessão que se baliza pela receita de cada aeroporto.

Quem vencer a disputa encabeçada por Congonhas (SP) terá de levar também outros nove —Campo de Marte (SP); Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã (MS); Santarém, Marabá, Altamira e Carajás (PA).

Congonhas é um dos aeroportos mais movimentados do país. Sozinho, deverá receber investimentos de R$ 3,5 bilhões, concentrando 66% dos recursos de todo o bloco.

O vencedor desse bloco pagará uma outorga inicial de R$ 487,1 milhões e as parcelas variáveis vão girar em torno de 10,60% desse valor. Também vai arcar com R$ 1,7 bilhão de indenizações a servidores da Infraero que optarem por se desligar voluntariamente.

Já o bloco RJ-MG terá como carro-chefe Santos Dumont, que concentrará investimentos de R$ 1,3 bilhão, cerca de metade do total. A outorga inicial será de R$ 355 milhões e a variável, 15,54% desse valor. Para o plano de demissão, será preciso gastar R$ 227,8 milhões.

No bloco Norte II, o aeroporto de Belém (PA) receberá quase R$ 750 milhões em investimentos. A diferença (R$ 119,5 milhões) será direcionada para o aeroporto de Marabá. A outorga inicial é de R$ 55,5 milhões e 6,89% desse valor será pago como outorga variável ao longo da concessão. Não há previsão de indenizações trabalhistas porque os funcionários que ali atuam foram remanejados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos