Mercado abrirá em 1 h 16 min

Tarcísio quer privatização do Porto de Santos; avalia modelo Eletrobras para Sabesp

Governador de SP, Tarcísio de Freitas

SÃO PAULO (Reuters) -O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, afirmou na segunda-feira que defenderá a privatização do Porto de Santos apesar da oposição do governo federal.

"Vou insistir na privatização do Porto de Santos", disse Tarcísio a jornalistas após reunião com secretários no Palácio dos Bandeirantes.

Como ministro da Infraestrutura do governo do presidente Jair Bolsonaro, Tarcísio tinha a privatização do porto no litoral paulista, o maior da América Latina, como um de seus principais projetos.

O andamento do processo está parado no Tribunal de Contas de União (TCU), cujo aval é necessário para seguir adiante, já que trata-se de um ativo federal. Diferentemente do governo Bolsonaro, no entanto, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tomou posse na véspera, tem sinalizado ser contrário à privatização.

O ministro de Portos e Aeroportos, Márcio França, disse nesta segunda em Brasília que a autoridade portuária não será privatizada. "Não há problemas de privatizar os terminais, a gente gostaria que os terminais fossem privatizados, mas a autoridade portuária nós não vamos privatizar", afirmou.

Tarcísio disse que defenderá a privatização do porto por considerar o potencial de atração de investimentos, estimado em cerca de 20 bilhões de reais. "Mas vamos considerar um plano B", acrescentou, sem dar mais detalhes, caso não haja acordo com o governo federal.

O governador, que assumiu o cargo na véspera, reafirmou também a intenção de privatizar a companhia de saneamento básico do Estado, a Sabesp, e adiantou que considera bom o modelo feito com a Eletrobras, que foi privatizada no ano passado pelo governo federal por meio de uma oferta de ações que diluiu o controle da companhia em bolsa.

(Por Aluisio AlvesEdição de Pedro Fonseca)