Mercado fechado

Tarcísio de Freitas confirma indicação de diretor para chefia da ANTT

Hugo Passarelli

Em reunião na Fiesp, ministro da Infraestrutura também minimizou efeito das turbulências políticas na capacidade de atração de investidores ao país O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, minimizou hoje o efeito das turbulências políticas na atração de investidores ao país e destacou que o Congresso assumiu protagonismo na condução de reformas. Ele também confirmou a indicação de Davi Barreto à diretoria-geral da ANTT. "Por mais que tenha confusão, você tem uma orientação do Congresso 'pró-business'. O Congresso resolveu enfrentar questões que antes não enfrentava com muita coragem, como a reforma da Previdência", disse Freitas ao participar de reunião na Fiesp, em São Paulo.

O ministro ainda ressaltou que o Congresso está pronto para dar prosseguimento às discussões das reformas administrativa e tributária. "Há inclusive uma disputa por protagonismo, para ver quem vai discutir a reforma tributária primeiro", disse.

"Nosso trabalho independe muito da questão política, é um trabalho técnico", ressaltou.

Tarcisio de Freitas, Ministro de Infraestrutura

Claudio Belli/Valor

Segundo ele, há forte interesse do investidor estrangeiro no programa de infraestrutura e o foco é o longo prazo. "O pessoal está vacinado [contra as turbulências políticas], disse. O ministro ainda elencou uma série de projetos de concessão cuja modelagem está pronta, restando o envio ao Tribunal de Contas da União (TCU), caso da BR-163 e do Ferrogrão. Ele ainda reforçou que em junho ou julho será realizado o leilão de cinco terminais portuários e que a desestatização do porto do Espírito Santos vai entrar em fase de audiência pública. 

Freitas ainda afirmou, sobre a indicação de Barreto à ANTT, que o hoje diretor da agência goza de credibilidade no mercado de regulação, o que é fundamental. Barreto é graduado em engenharia eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), mestre em regulação pela Universidade de Brasília (UNB) e trabalhou como auditor do Tribunal de Contas da União (TCU).

O último diretor-geral da ANTT, Mário Rodrigues Júnior, era ligado ao ex-deputado Valdemar da Costa Neto e foi alvo de busca e apreensão pela Polícia Federal em abril de 2019.