Mercado abrirá em 7 h 55 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,32
    +0,31 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.924,60
    -5,40 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    22.793,11
    -362,84 (-1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    516,37
    -10,81 (-2,05%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.560,67
    -6,11 (-0,03%)
     
  • NIKKEI

    27.367,97
    +5,22 (+0,02%)
     
  • NASDAQ

    12.028,50
    -78,25 (-0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5112
    -0,0085 (-0,15%)
     

Tarcísio diz esperar que Sabesp esteja privatizada até o fim de 2024

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  09-01-2023, O governador de SP Tarcísio de FReitas, no palácio do planalto, para tratar da reação aos protestos golpistas que resultaram em depredação do Palácio do Planalto, do STF e do Congresso Nacional. APós a reunião eles foram andando ver os estragos no supremo. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 09-01-2023, O governador de SP Tarcísio de FReitas, no palácio do planalto, para tratar da reação aos protestos golpistas que resultaram em depredação do Palácio do Planalto, do STF e do Congresso Nacional. APós a reunião eles foram andando ver os estragos no supremo. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

DAVOS, SUÍÇA (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), afirmou que considera viável vender a Sabesp até o final de 2024. E o modelo, a seu ver, deve ser parecido com o da Eletrobras, mais pulverizado, em detrimento do usado pelo governo do Rio de Janeiro para privatizar a Cedae.

Tarcísio participa nesta semana do Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça).

Segundo o governador, os estudos para a privatização serão iniciados já, e o dinheiro arrecadado deve ser mantido no próprio setor para investimentos e ampliação da cobertura. "Saneamento básico é a bola da vez, os países, os fundos, têm muito interesse em investir no Brasil."

Ele minimizou eventuais mudanças no marco legal do saneamento durante o governo Lula. "Ainda temos um desafio enorme da universalização da prestação do serviço, com mercado consumidor e com receita garantida por lei", afirmou, justificando a continuidade do arcabouço que permitiu destravar concessões no setor.

O governador afirma ver grande interesse de investidores no Brasil, e tem usado sua participação no evento para apresentar o programa estadual de investimento, incluindo concessões e privatizações.

Tarcísio também disse estudar a criação de um título financeiro -um "green bond"- emitido pelo estado e cuja arrecadação seria usada na recuperação e proteção ambiental. O tema foi aventado em reunião com o presidente do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), o brasileiro Ilan Goldfajn, que também se encontrou com os ministros Fernando Haddad (Fazenda) e a ministra Marina Silva (Meio Ambiente).

O governador não tem, até agora, compromissos organizados pelo fórum, mas a agenda bilateral se aproxima de 35 compromissos em cinco dias.

Tarcísio também se reuniu com a diretora-geral da OMC (Organização Mundial do Comércio), Ngozi Okonjo-Iweala, para falar de eventuais barreiras de proteção contra produtos exportados pelo estado, sobretudo para a Europa, onde a questão ambiental vem sendo invocada para barrar importações.

Na quinta-feira, o governador se reúne com o ex-vice-presidente dos Estados Unidos e ativista ambiental Al Gore, que em 2020 acabou reagindo a uma declaração do então ministro da Economia, Paulo Guedes, que justificava o desmatamento.

Guedes era colega de Tarcísio no ministério de Jair Bolsonaro (PL), um governo que acabou marcado pelo desdém à preservação ambiental.

Indagado sobre a mudança de tratamento com o novo governo, Tarcísio respondeu que "sempre colocou, no Ministério da Infraestrutura e agora no governo de São Paulo, a questão da sustentabilidade".

"Tem uma razão muito importante: fluxos financeiros vão estar cada vez mais atrelados a padrões ambientais, então não adianta você achar que vai captar recursos no exterior sem colocar sua preocupação com sustentabilidade e sem mostrar que seu projeto está bem estruturado em relação à mudança climática", disse.

Em meio ao discurso neoambientalista, o governador também elogiou o governo Lula pela "abertura ao diálogo", e afirmou manter uma boa relação, "republicana", com a atual gestão federal.