Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,32
    +3,17 (+4,65%)
     
  • OURO

    1.794,30
    +6,20 (+0,35%)
     
  • BTC-USD

    57.268,86
    +2.525,10 (+4,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,81 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,68 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.394,73
    -356,89 (-1,24%)
     
  • NASDAQ

    16.208,75
    +157,75 (+0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3069
    -0,0416 (-0,66%)
     

Tanqueiros bloqueiam saída de distribuidoras de combustíveis no Rio

·2 min de leitura

O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e de Lojas de Conveniência do Município do Rio de Janeiro (Sindcomb) informou hoje (21) que acompanha o movimento de tanqueiros nas bases de abastecimento de Campos Elíseos, na Baixada Fluminense. Os tanqueiros fazem manifestação contra o preço dos combustíveis e do frete. Bases de Campos Elíseos foram fechadas para evitar tumultos.

O Sindcom informou que caminhões-tanque estão conseguindo entrar nas bases de distribuição, escoltados pela Polícia Militar, para fazer, exclusivamente, o carregamento das empresas de ônibus da cidade. A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informou “que policiais militares do 15ºBPM (Duque de Caxias) acompanham uma manifestação em Campos Elíseos”.

De acordo com a secretaria, até o momento, “o ato ocorre de forma pacífica, não há registro de prisão ou apreensão”.

“Os postos revendedores do Rio seguem aguardando a normalização das entregas para poder atender a sua clientela até o fim de semana”, informou o Sindcomb, em nota.

Segundo o sindicato, no local operam as principais distribuidoras de combustíveis como a Vibra, a Raízen, uma joint venture criada a partir da união de parte dos negócios da Shell e da Cosan, e a Ipiranga, do Grupo Ultra.

Hoje à tarde, o sindicato vai fazer uma avaliação do movimento que começou nas primeiras horas desta quinta-feira. No final do dia, fará um balanço dos reflexos da suspensão das operações. Conforme o Sindcomb, os estoques nos postos já estão baixos, esperando as entregas previstas para hoje. Caso a entrada dos caminhões não seja liberada ainda hoje, é possível que haja problemas de abastecimento de combustíveis para fazer os estoques de fim de semana.

Os postos costumam trabalhar com estoques ajustados à demanda, por isso, não têm reservas extras. Normalmente, os pedidos às distribuidoras são feitos nas quintas e sextas-feiras para o fim de semana. A expectativa do sindicado é que a abertura das bases de abastecimento seja feita nesta tarde.

A Petrobras informou “que não há impacto às operações da companhia, em suas unidades operacionais”. A Agência Brasil tentou contato com a direção do sindicato da categoria de tanqueiros no Rio, mas não obteve resposta até agora.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos