Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,80
    +0,68 (+0,94%)
     
  • OURO

    1.856,10
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    40.122,74
    +58,01 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    994,89
    -15,72 (-1,56%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.601,63
    -36,90 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    29.357,66
    -83,64 (-0,28%)
     
  • NASDAQ

    14.041,75
    +11,50 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1124
    -0,0055 (-0,09%)
     

Talvez a China pouse um rover em Marte na noite desta sexta-feira (14)

·2 minuto de leitura

Lançada em julho de 2020, a missão Tianwen-1 chegou a Marte em fevereiro deste ano, quando entrou na órbita do planeta. Desde então, a sonda mapeou a superfície marciana com o propósito de avaliar o melhor lugar para pousar um módulo de pouso que levará o primeiro rover chinês à superfície marciana. E este tão aguardado momento está chegando: por volta das 20h11 (horário de Brasília) desta sexta-feira (14), ou até o dia 19 de maio, a China deve iniciar sua operação de pouso que colocará o veículo chamado Zhurong em solo.

Segundo a Administração Espacial Nacional da China (CNSA), a parte mais difícil dessa missão será o momento do pouso. Trata-se de um processo autônomo que dura cerca de 7 minutos (os chamados "7 minutos de terror"), enquanto o módulo de pouso tem sua queda amortecida por paraquedas. Quando estiver próximo ao solo, propulsores serão ativados e o módulo será colocado em segurança sobre a superfície. Se tudo ocorrer como o programado, a etapa seguinte será a abertura de uma rampa para que o rover de seis rodas seja liberado para explorar o terreno marciano.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Se a China se mostrar bem sucedida nessa empreitada, a missão Tianwen-1 pode ser a primeira do país a operar com um orbitador, um módulo de pouso e um rover no Planeta Vermelho. Desde que a sonda entrou em órbita, ela mapeou a superfície de Marte com suas câmeras de alta resolução. O local selecionado para o pouso é Utopia Planitia, conhecida como a maior bacia de impacto já registrada no planeta — seu diâmetro é de aproximadamente 3.300 km. Aliás, esta é a mesma região em que a sonda Viking 2, da NASA, pousou em setembro de 1976.

Representação artífica do rover Zhurong sobre a superfície marciana (Imagem: Reprodução/CNSA/CLEP)
Representação artífica do rover Zhurong sobre a superfície marciana (Imagem: Reprodução/CNSA/CLEP)

A missão foi desenvolvida para estudar a geologia de Marte, além de seus campos gravitacionais, sua distribuição da água e outros objetivos científicos. Uma vez confirmado o sucesso do pouso do rover Zhurong, ele passará os próximos três meses estudando rochas e o solo marciano, bem como a possível distribuição de água congelada pela superfície.

A parte superior metálica é o escudo que protegerá a carga enquanto ela atravessa a fina atmosfera de Marte (Imagem: Reprodução/China National Space Administration)
A parte superior metálica é o escudo que protegerá a carga enquanto ela atravessa a fina atmosfera de Marte (Imagem: Reprodução/China National Space Administration)

Atualmente, outras missões recentes estão acontecendo por lá, como a sonda Hope dos Emirados Árabes Unidos, que conta somente com uma sonda orbital, além do rover Perseverance, da NASA, explorando a cratera Jezero. Agora resta aguardar por mais informações quanto ao pouso do rover chinês Zhurong — lembrando que a janela para isto ocorrer é entre a noite desta sexta (14) até 19 de maio.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: