Mercado fechado

Talibã bane criptomoedas no Afeganistão, fecha 16 corretoras e prende 13 pessoas

Herat, Afeganistão.
Herat, Afeganistão.

Embora o site do Banco Central do Afeganistão não possua nenhuma informação sobre o caso, fontes locais e internacionais apontam que o Talibã baniu as criptomoedas em seu país, levando a prisão de 13 pessoas e o fechamento de 16 corretoras na última semana.

Até então, afegãos estavam usando o Bitcoin para fugir da crise de sua moeda fiduciária, a afegane (AFN), que chegou ao seu pior valor em relação ao dólar em dezembro do último ano antes de apresentar uma pequena valorização.

Sendo assim, o Afeganistão se junta a outros países que não desejam que seus cidadãos usem criptomoedas, como é o caso do Catar e também do país mais populoso do mundo, a China.

Afeganistão bane criptomoedas

Segundo informações da Bloomberg, pelo menos 13 pessoas foram detidas após o Talibã proibir as criptomoedas no Afeganistão. Sem números exatos, a fonte afirma que a maioria já havia sido liberada após pagamento de fiança.

“O Banco Central [do Afeganistão] nos deu uma ordem para impedir que todos os cambistas, indivíduos e empresários negociassem moedas digitais fraudulentas, comumente chamadas de Bitcoin”, disse Sayed Shah Saadaat, chefe de investigações criminais à Bloomberg.

Já o site local Ariana News aponta que pelo menos 16 corretoras de criptomoedas também foram fechadas em Herat, terceira maior cidade do país e até então polo de negociação destes ativos.

Em relatório publicado em agosto do ano passado, a Chainalysis destacou o país como tendo uma “ligação nascente com as criptomoedas”, colocando o Afeganistão no top 20 de adoção apesar do baixo acesso ao público geral, em especial pela falta de acesso à internet pela população.

Criptomoedas ainda incomodam

Enquanto criptomoedas são sinônimo de liberdade, as mesmas ainda incomodam países mais opressores como China, Afeganistão e tantos outros que já declararam guerra as mesmas. Em agosto do ano passado, um afegão investidor de criptomoedas chegou a fugir de seu país após o Talibã assumir o controle do governo.

Sendo assim, o mundo parece se dividir em três quando o assunto são criptomoedas. De um lado, El Salvador está praticamente sozinho na adoção do Bitcoin. No meio-termo, outros países buscam regular o setor enquanto analisam o quão ameaçador estes são. Já na última ponta, outros não querem nem mesmo conversa e apenas definem que as criptomoedas são ilegais.

Fonte: Livecoins