Mercado fechará em 3 h 33 min
  • BOVESPA

    115.171,43
    -496,35 (-0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.358,82
    +207,44 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,26
    +0,04 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.775,90
    -22,00 (-1,22%)
     
  • BTC-USD

    51.266,30
    +2.584,72 (+5,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.025,93
    +31,27 (+3,14%)
     
  • S&P500

    3.893,45
    -31,98 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.819,33
    -142,53 (-0,45%)
     
  • FTSE

    6.667,04
    +8,07 (+0,12%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.137,00
    -165,00 (-1,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7080
    +0,1375 (+2,09%)
     

Taiwan investiga especulação cambial por bancos e tradings

Bloomberg News
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Cargill e Deutsche Bank fazem parte de um grupo de grandes organizações estrangeiras investigadas em Taiwan, acusadas de especular com a alta da moeda local no ano passado e dificultar os esforços do banco central para segurar o descontrole no mercado de câmbio.

Com a ajuda de seis bancos estrangeiros, oito das maiores tradings agrícolas da Ásia haviam montado US$ 11 bilhões em posições a termo em moeda local até julho, informou o banco central em comunicado na semana passada. Cargill e Louis Dreyfus estavam envolvidas, juntamente com Deutsche Bank, Citigroup, JPMorgan Chase e Standard Chartered, de acordo com pessoas a par do assunto, que pediram anonimato por não terem autorização para falar publicamente.

ING Groep e Australia & New Zealand Banking Group também estão sob investigação, segundo uma fonte.

As posições se basearam em transações físicas com grãos no exterior deliberadamente negociadas por meio de subsidiárias em Taiwan a fim de especular com a moeda local, afetando a estabilidade do mercado, afirmou o banco central. As empresas, que não foram identificadas publicamente, tinham encerrado essas operações até o final de julho do ano passado. A autoridade monetária anunciará punições para quatro dos bancos em breve e já entrou em acordo com outros dois.

O banco central não pode impor sanções às empresas de grãos, mas se prepara para entregar informações detalhadas sobre o caso para outras agências governamentais, como o Ministério das Finanças e o principal regulador do mercado financeiro, para permitir uma investigação mais aprofundada dessas organizações.

Segundo as fontes, pelo menos algumas das operações foram elaboradas especificamente para lucrar com a alta do dólar taiwanês, impondo um desafio direto ao banco central que lutava para conter a valorização da moeda e manter um ambiente financeiro estável em uma economia dependente das exportações.

O banco central de Taiwan regula rigorosamente o volume de moeda local que as empresas estrangeiras podem acumular para evitar especulações com o câmbio. Segundo comunicado divulgado pela autoridade monetária na semana passada, as enormes posições em contratos a termo acumuladas pelas tradings de commodities foram superiores a suas reais necessidades de negócios. Nenhuma das operações com commodities vinculadas aos contratos a termo nem as principais partes envolvidas estavam em Taiwan, informou a instituição.

“O banco central geralmente desaprova especulação porque pode desestabilizar os mercados e distorcer os preços”, afirmou Christopher Wong, estrategista sênior de câmbio do Malayan Banking em Cingapura. “O objetivo da punição é dar uma mensagem de desincentivo e o banco central pode usar isso como forma de lembrar aos mercados que não atuem como ameaça.”

Abordado pela Bloomberg News, o banco central não comentou além do que já estava comunicado.

Deutsche Bank, JPMorgan, Citigroup, ANZ e Cargill se recusaram a comentar. Uma porta-voz do Standard Chartered informou que não poderia comentar um processo regulatório. O ING também não comentou. A Louis Dreyfus declarou que não foi contatada pelas autoridades taiwanesas e não quis entrar em detalhes.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.