Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.715,54
    +783,84 (+2,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

AT&T e Verizon negam novo pedido de adiamento dos EUA para iniciar 5G

·2 min de leitura
Equipe da Verizon atualiza torre de celular para suportar a rede 5G network em Orem, Utah, em dezembro de 2019 (AFP/GEORGE FREY) (GEORGE FREY)

As operadoras americanas de telefonia Verizon e AT&T rejeitaram neste domingo (2) um pedido das autoridades para adiar novamente a entrada em operação de suas novas faixas de frequência 5G, devido a preocupações da indústria aérea.

A data de lançamento do serviço 5G, inicialmente previsto para 5 de dezembro, já tinha sido adiada uma vez para 5 de janeiro.

Mas na sexta-feira, o secretário de Transportes dos Estados Unidos, Pete Buttigieg, e o chefe da entidade reguladora da aviação, Steve Dickson, pediram às duas operadoras uma nova suspensão por no máximo duas semanas.

AT&T e Verizon se negaram a responder afirmativamente a esta solicitação.

"Aceitar sua proposta seria (...) uma evasiva sem precedentes e injustificada do devido processo", lamentou John Stankey, diretor-executivo de AT&T, e Hans Vestberg, diretor-executivo da Verizon, em carta à qual a AFP teve acesso.

Eles acreditam que também seria "uma abdicação irresponsável do controle operacional requerido para implantar redes de comunicações (...) tão essenciais para a vitalidade econômica, a segurança pública e os interesses nacionais do nosso país".

Os dois diretores denunciaram a "inação" do setor aeronáutico para estudar o impacto do 5G em seus dispositivos, o que deu lugar a estes pedidos de última hora, quando lhes foram atribuídas em fevereiro as faixas de frequência 3,7-3,8 GHz, após uma licitação de dezenas de bilhões de dólares.

No entanto, os dois diretores se comprometeram a continuar sua cooperação com a secretaria de Transportes "e todas as partes interessadas (...) desde que a Administração Federal de Aviação (FAA) e a indústria da aviação se comprometam a fazer o mesmo".

As fabricantes de aviões europeia, Airbus, e americana, Boeing, expressaram recentemente sua "preocupação" com a possível interferência do 5G nos radioaltímetros dos aviões.

As duas operadoras argumentam que "atualmente, aviões americanos entram e saem da França todos os dias com milhares de passageiros americanos e com o aval pleno da FAA".

No entanto, a Autoridade de Aviação Civil francesa recomendou, em fevereiro passado, desligar os dispositivos móveis com 5G a bordo, devido ao risco de "interferência de sinal", que poderia provocar erros "particularmente críticos durante as fases de aterrissagem com instrumentos".

Também tinha proposto limitar a potência das antenas 5G situadas perto de certos aeroportos.

jul/fjb/ag/gm/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos