Mercado fechará em 28 mins

Títulos verdes da Alemanha prometem agitar mercado de US$ 68 bi

John Ainger
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Alemanha abre caminho para uma revolução no mercado de renda fixa verde na Europa com a venda dos primeiros títulos garantidos pelo governo ainda neste ano.

O momento dificilmente poderia ser melhor. A crise de coronavírus cria uma necessidade de empréstimos nunca vista antes na Europa, e investidores buscam cada vez mais ativos que atendam a objetivos ambientais ou sociais. A natureza verde dos orçamentos de recuperação de pandemia foi amplamente divulgada pelo governo da chanceler Angela Merkel e pela União Europeia.

Enquanto muitos outros tenham superado a Alemanha com a emissão de dívidas que financiam diretamente projetos de natureza ambiental - a Polônia foi a primeira a fazê-lo em 2016 -, seu status de emissor mais seguro da região é um grande benefício para um mercado global que cresceu e agora soma US$ 68 bilhões. E, com planos de emitir até 12 bilhões de euros (US$ 13,5 bilhões) somente este ano, seu tamanho causa impacto.

“Em nosso fundo verde, certamente daremos uma olhada neles”, disse Ronald van Steenweghen, gestor de ativos da Degroof Petercam Asset Management, em referência aos títulos verdes. “O ‘green deal‘ da UE pode dar origem a muitos projetos interessantes que precisam de financiamento.”

O plano da Alemanha de vender títulos com o mesmo cupom e vencimento de títulos normais no mercado também pode ser um modelo a ser seguido por outros, dada sua relativa simplicidade. O país anunciou que começaria com a venda de um título de 10 anos em setembro, seguido provavelmente por um título de cinco anos no quarto trimestre.

Então 2021, o país planeja mais ofertas com diferentes vencimentos, de dois a 30 anos, de acordo com Tammo Diemer, corresponsável da Agência Federal de Finanças.

Até agora, a França é a maior emissora soberana verde do mundo, seguida pelos Países Baixos e Bélgica. Muitos outros estão na fila. Itália e Polônia planejam ofertas, e Áustria, Espanha e Suécia estudam as primeiras vendas de títulos verdes neste ano. Nos mercados emergentes, Quênia e Nigéria esperam fazer emissões, enquanto o Brasil prepara medidas que permitam esse tipo de oferta.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.