Mercado abrirá em 1 h 45 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,00
    +0,23 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.851,20
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    32.131,41
    -1.276,16 (-3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    647,61
    +0,29 (+0,04%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.677,03
    +38,18 (+0,58%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.430,50
    -45,00 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Títulos sociais elevam emissões ESG para recorde de US$ 732 bi

Caleb Mutua
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O mercado global de dívida sustentável cresceu 29%, para um recorde de US$ 732 bilhões no ano passado, puxado por uma onda de emissões de títulos para projetos sociais em meio à crise causada pela pandemia, segundo a BloombergNEF.

“A sustentabilidade continua a avançar na agenda de investidores, empresas e governos”, disse Mallory Rutigliano, analista de finanças sustentáveis da BNEF, em relatório na segunda-feira. “Este mercado relativamente novo agora é visto como uma ferramenta que as economias globais podem usar para uma reconstrução mais verde e socialmente mais justa.”

A emissão de títulos sociais se multiplicou por sete em 2020, para US$ 147,7 bilhões, quando governos e empresas captaram recursos para alívio da pandemia em meio à forte demanda de investidores, disse a BNEF. A emissão de títulos de sustentabilidade - que permitem aos emissores usarem os recursos para projetos verdes e sociais - aumentou 81%, para US$ 68,7 bilhões no período.

Entre os maiores emissores de títulos sociais no ano passado está a União Europeia, que acessou o mercado três vezes para financiar um programa de apoio ao emprego, com ordens de compra para todas as emissões bem acima do ofertado. A Unédic Asseo, agência que administra o seguro-desemprego na França, levantou 4 bilhões de euros em maio para financiar sua resposta à Covid-19, a maior oferta de um título social, seguida por outra emissão do mesmo porte em junho.

As vendas de títulos verdes - a maior categoria de dívida sustentável por volume em dólares - cresceram 13%, para um recorde de US$ 305,3 bilhões, após uma desaceleração no primeiro semestre do ano, disse a BNEF. Desde 2007, as emissões acumuladas de títulos verdes superam US$ 1 trilhão.

No entanto, as vendas globais de empréstimos atrelados a ESG, sigla em inglês para critérios ambientais, sociais e de governança, caíram no ano passado. As vendas de empréstimos vinculados à sustentabilidade - que têm taxas de juros atreladas ao desempenho dos emissores em metas de sustentabilidade - e créditos verdes caíram 15% para US$ 119,5 bilhões e US$ 80,3 bilhões, respectivamente, de acordo com a BNEF.

O apoio de reguladores e bancos centrais ao redor do mundo, como do Banco Central Europeu, sinaliza “crescimento ainda mais sólido” do mercado de dívida sustentável, apesar da necessidade de mais escrutínio e transparência, de acordo com Maia Godemer, analista de finanças sustentáveis da BNEF.

“A crescente demanda de investidores e partes interessadas incentivará o mercado de dívida sustentável a inovar e impulsionará novos tipos de instrumentos”, disse.

Com um governo democrata nos EUA, as emissões de títulos corporativos que financiam projetos ambientais e socialmente responsáveis devem aumentar ainda mais. O JPMorgan Chase prevê crescimento de 30% na emissão global de títulos verdes, sociais e atrelados à sustentabilidade neste ano.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.