Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.915,16
    -28,92 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Títulos prefixados caem a mínima em 18 meses com salto nas taxas de juros de mercado

·1 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Os títulos de renda fixa tinham forte queda no preço nesta quinta-feira, com o valor dos prefixados descendo a uma mínima em um ano e meio, reflexo de uma onda tomadora de taxa que está nocauteando contratos de juros desde a B3 até os mercados secundário e primário de papel.

Os DIs chegaram a subir 60 pontos-base mais cedo, o que golpeou em cheio os preços dos títulos.

O IRF-M 1+ --índice da Anbima que acompanha a evolução de preços de uma carteira teórica de títulos prefixados com prazo igual ou superior a um ano-- caía 0,9% no começo da tarde, para uma mínima desde abril do ano passado --período em que os mercados ainda sentiam o baque inicial da pandemia de Covid-19.

O índice IMA-B 5+ --que segue preços de títulos corrigidos pela inflação com vencimento igual ou superior a cinco anos-- perdia 0,81%, para a menor leitura em um ano.

O Tesouro Nacional fez colocação de pré e pós-fixados em leilão nesta quinta, mas concentrou a oferta em LFTs (corrigidas pela taxa Selic), o que derrubou o PVBP (uma medida de colocação de risco no mercado) a mínimas vistas pela última vez em setembro.

No mercado secundário, a LTN com vencimento em janeiro de 2022 sofria a maior queda em seis semanas, e o papel para janeiro de 2026 cedia 1,4% (queda bastante expressiva para um título público), indo ao menor patamar desde maio do ano passado.

Os títulos brasileiros emitidos no exterior também caíam. O Global 28 emitido em 2017 tinha baixa de 0,3%, para o menor patamar desde também maio de 2020. No acumulado de 2021, a queda no preço é de 7,5%.

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos