Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    -0,56 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    21.388,02
    +166,46 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,16 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,77 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5320
    +0,0203 (+0,37%)
     

Títulos europeus estendem queda antes da decisão do BCE

(Bloomberg) -- Os títulos europeus caíram na quarta-feira, estendendo uma queda que elevou os custos do dinheiro a novas máximas de vários anos em toda a região, à medida que o Banco Central Europeu se prepara para apertar a política monetária.

Os rendimentos de referência de 10 anos na Alemanha caminham para seu maior aumento trimestral desde 1994, enquanto os mercados monetários apostam no ritmo mais rápido de aumentos de taxas desde a virada do século, diante da inflação recorde que está em mais de quatro vezes a meta do BCE de 2%.

Embora as autoridades não devam aumentar os juros oficiais na quinta-feira, a presidente Christine Lagarde sinalizou no mês passado que o banco central encerrará as compras de títulos este mês e aumentará juros uma vez em julho e novamente em setembro, elevando a taxa de depósito de -0,5% para zero.

Mas os mercados monetários apostam em movimentos mais agressivos, atribuindo cerca de 50% de chance de uma alta de meio ponto percentual já no próximo mês, e precificando 2 pontos percentuais de aperto dentro de um ano.

“Para que os rendimentos se estabilizem globalmente, precisamos ver mais evidências de que a inflação está sob controle”, disse. Mark Dowding, diretor de investimentos da BlueBay Asset Management. “Enquanto isso, a pressão ascendente sobre os rendimentos pode persistir, embora agora achamos que os mercados estão começando a descontar muito em relação ao aperto monetário”.

O fim de oito anos de taxas negativas sinalizará a tentativa do BCE de enfrentar de frente a ameaça de descontrole da inflação. As novas previsões do banco central provavelmente mostrarão que os preços não cairão abaixo da meta até 2024.

Os rendimentos dos títulos alemães de 10 anos subiram quase 0,07 ponto percentual para cerca de 1,36% na quarta-feira, o maior nível desde 2014. Os rendimentos também subiram nos títulos franceses e italianos.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos