Mercado fechará em 1 h 39 min
  • BOVESPA

    100.756,42
    +2.084,16 (+2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.250,50
    +509,00 (+1,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,04
    +2,42 (+2,25%)
     
  • OURO

    1.824,90
    -5,40 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    20.770,76
    -418,31 (-1,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    452,44
    -9,36 (-2,03%)
     
  • S&P500

    3.905,51
    -6,23 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    31.474,62
    -26,06 (-0,08%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.037,25
    -103,25 (-0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5354
    -0,0170 (-0,31%)
     

Táxis-voadores no Brasil estão perto de ter “aeroporto” próprio

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O carro voador, ou eVTOL (veículo elétrico de pouso e decolagem vertical), já é uma realidade, e ver táxis-voadores desafogando o trânsito nas grandes cidades brasileiras, em breve, também pode ser. Pelo menos é esse o plano da startup britânica Vertical Aerospace e a empresa argentina Corporation América Airsports.

As duas fecharam parceria para, ao lado da companhia aérea brasileira Gol e da locadora de jatos Avolon, preparar a infraestrutura necessária para tornar o Brasil pioneiro em serviços de táxis-voadores. Como? Desenvolvendo o primeiro “aeroporto” próprio para eles, ou, no caso, o primeiro vertiporto do país.

Táxis-voadores podem ter aeroporto próprio em breve no Brasil (Imagem: Divulgação/Vertical Aerospace)
Táxis-voadores podem ter aeroporto próprio em breve no Brasil (Imagem: Divulgação/Vertical Aerospace)

“A parceria explorará e definirá o design e os locais do vertiporto, bem como a infraestrutura adicional e os requisitos para operações de eVTOL no Brasil. Com seu mercado bem desenvolvido de Mobilidade Aérea Urbana baseado em serviços de helicóptero, ecossistema de aviação avançado e dados demográficos únicos, o Brasil está definido para tornar-se um dos mercados pioneiros para serviços eVTOL, inclusive para o VX4 da Vertical”, avisou a Vertical Aerospace.

O contrato firmado estabelece que cada uma das empresas envolvidas entrará com a expertise própria para agilizar as operações de eVTOL no Brasil até o fim de 2030. A Corporación América Airports até já desenvolveu seu próprio vertiporto, além de ter feito uma minuciosa análise de tráfego aéreo em vários países, não apenas no Brasil.

O papel da Gol com os táxis-voadores no Brasil

A presença da Gol entre as empresas envolvidas no desenvolvimento do projeto que prevê táxis-voadores cruzando os céus do Brasil até o fim da década é significativa. A Vertical Aerospace descreveu o importante papel da companhia aérea brasileira no projeto:

“Essa parceria se baseia no compromisso da Gol e do Grupo Comporte de comprar ou alugar até 250 unidades de táxis-voadores VX4. Esse compromisso visa a comercialização de aeronaves eVTOL no Brasil com a Vertical Aerospace, Grupo Comporte e Gol. O Grupo de Trabalho já realizou workshops de familiarização de projetos com a autoridade de aviação civil brasileira Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para permitir a validação rápida das aeronaves pilotadas, zero emissões operacionais e quatro passageiros”.

Táxis-aéreos VX4, da Aerospace, terão o logo da Gol no Brasil (Imagem: Divulgação/Vertical Aerospace)
Táxis-aéreos VX4, da Aerospace, terão o logo da Gol no Brasil (Imagem: Divulgação/Vertical Aerospace)

Como será o táxi-voador?

O VX4, aparentemente modelo escolhido como táxi-voador para o Brasil, pode alcançar 320 km/h e tem autonomia para voar distâncias de até 160 quilômetros. A vantagem, além do silêncio da aeronave, é oferecer um baixo custo para o maior interessado, o passageiro.

“Nosso objetivo é entregar os requisitos de infraestrutura para trazer viagens com zero emissões para o Brasil em meados deste década e revolucionar as viagens aéreas na região”, prometeu Dómhnal Slattery, CEO da Avolon. “Um novo ecossistema de mobilidade está surgindo”, completou Martin Eurnekian, da Corporation América.

Paulo Kakinoff, CEO da Gol, e Stephen Fitzpatrick, fundador da Vertical, também demonstraram confiança em ver o projeto decolar, literalmente. “É uma oportunidade única unir esforços em uma iniciativa sustentável”, comentou Kakinoff, acompanhado pelo executivo da Vertical, que taxou de “incrível” a chance de ver o que está para acontecer no Brasil.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos