Mercado fechará em 1 h 22 min
  • BOVESPA

    111.760,50
    +2.978,35 (+2,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.250,24
    -831,09 (-1,63%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,23
    +0,99 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.763,70
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.384,55
    +125,15 (+0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,82
    -1,91 (-0,49%)
     
  • S&P500

    3.955,00
    -8,94 (-0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.799,35
    -50,11 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.514,25
    -102,00 (-0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4718
    -0,0774 (-1,39%)
     

Suzano vê dinâmica de oferta e demanda de celulose "apertada" e preços firmes no 4º tri

SÃO PAULO (Reuters) - A Suzano está vendo uma relação de oferta e demanda por celulose justa nos mercados internacionais e está otimista sobre os patamares de preços da commodity para o quarto trimestre, afirmaram executivos nesta sexta-feira.

Apesar disso, a companhia se mostra incomodada com a volatilidade de preços da celulose nos mercados globais, entendendo que não é positiva para a empresa ou para os clientes e por isso vai trabalhar em 2023 para tentar reduzir variações bruscas.

"O ambiente de volatilidade de preços não é bom para os clientes e para nós... Toda a cadeia está afetada por isso e nossa ambição é reduzir isso ao longo do tempo", afirmou o presidente da Suzano, Walter Schalka, em teleconferência com analistas.

"Vamos trabalhar sobre isso no próximo ano, vamos ter esquemas como preço fixo, teto e piso, mas vamos proteger nossos preços quando o preço cair", disse o executivo.

Segundo o diretor de celulose da Suzano, Leonardo Grimaldi, o cenário sobre entrada da novas capacidades de produção de celulose em 2023 ainda está claro, com chances de paradas de manutenção não programadas na indústria e atrasos em projetos.

Grimaldi afirmou que os estoques de celulose em portos da Europa e Ásia estão em níveis reduzidos, principalmente em fibra curta, o que ajuda a manter a precificação da companhia, que tenta correr para atender pedidos de clientes na Ásia onde enfrentou atrasos de entregas.

Com isso, a Suzano não pretende ampliar estoques de celulose neste final de ano. "Vemos demanda consistente na Europa, Estados Unidos, América Latina e China...Temos um cenário de curto prazo muito bom", disse o executivo.

Questionados sobre interesse da Suzano em novas consolidações no segmento de papel tissue, após o anúncio nesta semana de compra dos ativos da Kimberly-Clark no setor no Brasil, o diretor de produtos de consumo da Suzano, Luis Costa Bueno afirmou que a prioridade da empresa nos próximos meses está em integrar as instalações adquiridas, que vão ampliar a presença da companhia no setor para a região Sudeste.

As ações da Suzano estavam entre as maiores altas do Ibovespa às 11h13, exibindo alta de cerca de 2%, enquanto o índice recuava 0,8%.

Na noite da véspera a companhia divulgou desempenho acima do esperado pelo mercado para o terceiro trimestre, com aumento de 36% no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado sobre um ano antes.

(Por Alberto Alerigi Jr.)