Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.322,18
    -166,58 (-0,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Suzano vê demanda por celulose ainda resiliente após alta de preços

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado global de celulose segue apresentando uma equação favorável aos produtores da commodity e as sucessivas altas de preços do produto nos últimos meses foram totalmente implementadas sem prejudicar a demanda, afirmaram executivos da Suzano, nesta quinta-feira.

"A demanda continua forte na Europa e América do Norte...Na China, a produção de papel deve continuar apresentando números fortes. A entrada de pedidos (de celulose) deve continuar elevada", afirmou o diretor comercial de celulose da Suzano, Leonardo Grimaldi, em teleconferência com analistas do setor.

O executivo explicou que a oferta de transporte para celulose no mundo ainda segue apertada e que a guerra na Ucrânia segue causando impactos de redução de capacidade produtiva, enquanto a demanda forte pela commodity no mundo mantém o nível dos estoques no mercado sob restrição.

"Ainda estamos operando com níveis de estoques de celulose abaixo do nível ótimo", disse Grimaldi sobre a Suzano.

A companhia divulgou na noite da véspera resultado positivo para o segundo trimestre e ainda um novo programa de recompra de ações, que vem dois meses após o anúncio de outra recompra, em meio a uma geração de caixa acima do esperado.

Questionado sobre o novo programa, o diretor financeiro da Suzano, Marcelo Bacci, afirmou durante a teleconferência que a companhia já executou até agora 75% da primeira recompra e que um novo programa é a melhor opção de retorno para o capital disponível no caixa da empresa, que somava 20,3 bilhões de reais ao fim de junho.

"É um movimento estratégico", disse Bacci. "Estamos gerando mais caixa e acreditamos que as recompras têm retornos muito elevados", acrescentou o executivo.

O presidente da Suzano, Walter Schalka, afirmou que o conselho de administração da companhia ainda não aprovou um projeto de expansão de produção de papel tissue no Espírito Santo orçado em 600 milhões de reais e anunciado no fim de junho.

"Prevejo que vamos seguir com este investimento, que vai criar valor para os acionistas", afirmou Schalka.

Por volta de 11:25, as ações da Suzano cediam 1%, a 46,38 reais, enquanto o Ibovespa, referência do mercado acionário brasileiro, cedia 0,4%.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos