Mercado abrirá em 8 h 52 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,48
    -0,29 (-0,55%)
     
  • OURO

    1.859,60
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    32.366,49
    -1,79 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    654,86
    -22,04 (-3,26%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    29.667,08
    -491,93 (-1,63%)
     
  • NIKKEI

    28.641,13
    -181,16 (-0,63%)
     
  • NASDAQ

    13.430,75
    -44,75 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7112
    +0,0750 (+1,13%)
     

Suzano recua pelo 2º dia após máximas e venda de ações pela Votorantim

Por Paula Arend Laier
·2 minuto de leitura

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - As ações da Suzano figuravam novamente entre as maiores perdas do Ibovespa nesta quinta-feira, tendo de pano de fundo anúncio de que a acionista Votorantim vendeu 25 milhões de ações da fabricante de papel e celulose, passando a deter apenas 3,7% do capital social da companhia.

Por volta de 11:10, os papéis cediam 2,95%, a 52,97 reais, no segundo dia consecutivo de queda, após ultrapassar 58 reais na segunda-feira, batendo máxima histórica intradia. Em 2020, os papéis contabilizam uma elevação de 33,5%, enquanto o Ibovespa contabiliza ainda performance negativa de 3%.

De acordo com dados da B3, a venda ocorreu na véspera por meio de 'block trade', com o preço de 54,87 reais, movimentando 1,37 bilhão de reais. A corretora do JPMorgan foi a intermediadora tanto na ponta de venda como de compra.

Após a alienação, a Votorantim S.A. (VSA) ainda é titular de 50.180.059 papéis da Suzano, conforme notificação enviada à companhia com data de 2 de dezembro.

Na visão de analistas do BTG Pactual, essa participação também deve ser vendida em algum momento, o que representa um potencial 'overhang', embora pequeno.

"Nossa visão é que a celulose não era mais um negócio estratégico para a Votorantim desde a venda da Fibria e, em grande parte, esperava-se que esse desinvestimento final ocorresse", afirmaram os analistas Leonardo Correa e Caio Greiner em email a clientes.

Eles destacaram que a transação não muda a visão positiva que ele têm sobre Suzano, assim como avaliam que essas vendas não têm impacto relevante na tese de investimento.

"Nós continuamos a acreditar que a Suzano deve continuar a apresentar um bom desempenho sob um ambiente favorável de precificação de commodity pelos próximos meses, e reiteramos nossa (recomendação de) 'compra'", afirmaram os analistas do BTG, que têm preço-alvo de 59 reais para a ação da Suzano.