Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.061,42
    +1.704,18 (+3,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Suzano eleva previsão de capacidade para nova fábrica de celulose no MS

·2 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A Suzano revelou nesta quinta-feira alta no resultado operacional do terceiro trimestre e expansão de cerca de 11% na capacidade nominal de sua futura fábrica a ser erguida em Ribas do Rio Pardo (MS).

A empresa tinha anunciado em maio investimento de 14,7 bilhões de reais na construção da nova fábrica, informando na ocasião que a capacidade seria de 2,3 milhões de toneladas anuais celulose, o que elevaria a capacidade total do grupo para 13,2 milhões de toneladas por ano.

Nesta quinta-feira, a Suzano manteve a projeção de investimento anunciada antes e não informou porque o valor a ser desembolsado de 2021 a 2024 foi mantido apesar do aumento da capacidade projetada. O prazo de entrada em operação, porém, foi adiado do início de 2024 para o segundo semestre do mesmo ano.

No terceiro trimestre, a Suzano teve prejuízo líquido de 959 milhões de reais, redução de 17% em relação à perda de um ano antes. Mas o desempenho operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado disparou 67%, para 6,3 bilhões de reais, avançando ainda 6% sobre o segundo trimestre.

O desempenho foi apoiado em um crescimento de 43% no preço médio da celulose no exterior, para 654 dólares a tonelada. Já o preço do papel subiu 21%, para 4,9 mil reais a tonelada.

O custo caixa de produção de celulose, excluindo efeito de paradas, avançou 19% ano a ano, para 711 reais por tonelada.

O resultado foi publicado na mesma semana em que a rival Klabin divulgou lucro líquido de 1,2 bilhão de reais para o terceiro trimestre, com custo caixa de celulose de 940 reais por tonelada, impactada por forte alta em preços de commodities como combustível e produtos químicos.

A Suzano terminou setembro com alavancagem financeira de 2,8 vezes em dólares e 2,7 vezes em reais, que se comparam a índicadores de 5,1 e 4,4 vezes um ano antes.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos